Glossário

Abraçador de árvores — Termo depreciativo com que os direitistas americanos se referem aos ecologistas, especialmente os adeptos de alguma religião do tipo «nova era de aquário».

Advocati fidei — Termo em latim bárbaro (que significaria «advogados da fé») usado pelo Bule Voador para designar um projeto seu de aproximação com religiosos moderados.

Amuleto jurídico — Artigo de legislação evocado a esmo por pessoas com pouco ou nenhum conhecimento jurídico (o que não exclui advogados) com a finalidade de impressionar (leia-se intimidar) pessoas que também possuem pouco ou nenhum conhecimento jurídico e ainda por cima não têm a mesma audácia do evocador.

Anarcomiguxo — Adepto do anarcocapitalismo à la Ayn Rand. Os AnCaps, como preferem ser chamados, defendem o fim do estado, mas a preservação da propriedade privada (que eles pretendem defender na base do tiro, da porrada e da contratação de segurança privada). Em geral são indivíduos dotados de baixíssima autoestima, que se sentem seduzidos pela glorificação do egoísmo proposta por Rand. Diferentemente dos randroides, que realmente leram a obra da pseudofilósofa russo-americana, os anarcomiguxos ouviram falar dela, leram um artigo ou dois do Instituto Mises ou assistiram aos vídeos do Dâniel Fraga.

Anarquia — Ausência de governo (ou de Estado, conforme o autor). Pressupõe, também, a ausência de todas as formas de coerção e controle exercidas por meio do governo/Estado, tais como a polícia, a propriedade, o casamento, o pátrio poder, a religião etc.

Astroturfing — Criação e estímulo, por grandes empresas ou organismos políticos, de movimentos de massa que se apresentam como espontâneos, mas são dirigidos. O nome é uma referência jocosa ao termo «grassroots», que compara os movimentos populares verdadeiramente espontâneos às raízes de relva, que se espalham por sob a terra e brotam aqui e ali, espalhando o verde rapidamente. Diferentemente da relva, o Astro Turf® é um gramado artificial para estádios (de futebol americano, baseball ou futebol) e campos de golfe que, além de ser artificial, é posto de cima para baixo, sem raízes. Astroturfing é o ato de «plantar» um movimento popular «artificial» que pareça natural.

Attention whore — Imperdoável anglicismo que cometo pelo meu pudor em traduzir com perfeição as múltiplas conotações desse xingamento extraordinariamente apropriado em certos casos. Trata-se daquele tipo de gente que padece de tal obsessão por receber a atenção de alguém que está disposto, para isso, a fazer qualquer coisa. Se você realmente não tiver pudores poderá traduzir que ser uma attention whore é prostituir-se em troca de atenção.

Bala de prata — Informação privilegiada que, se divulgada, pode resultar em grande dano à imagem de uma figura pública e é usada com fins de chantagem ou para insuflar um movimento popular «espontâneo» de repúdio à pessoa em questão. A entrevista de Pedro Collor à Veja foi a bala de prata do mandado de Fernando Collor. O mensalão foi apresentado inicialmente como a bala de prata do governo Lula. A bala de prata contra Getúlio Vargas foi o atentado da Rua Tonelero. Foi o único caso histórico em que o assassinato político de um adversário resultou em morte física (a regra antes era o assassinato físico puro e simples).

Bebedores de Q-Suco — Pessoas tão sinceramente crentes em suas religiões ou gurus que não conseguem conceber que qualquer coisa em nome de sua igreja possa ser senão a própria vontade de Deus. O termo se refere ao suicídio em massa dos fieis de Jim Jones, em 1979, que foi cometido ingerindo cianureto dissolvido em copos de suco artificial da marca Kool-Aid (o nosso Q-Suco).

Cacocracia — Neologismo cunhado agora por este que escreve para ser o antônimo perfeito da ideia aristocrática. Se a aristocracia diz ser o governo dos melhores (áristoi), a cacocracia seria o governo dos piores (kákoi).

«Centrão» — Oficialmente o «Centro Democrático», grupo suprapartidário atuante na Assembléia Constituinte de 1988. Organizado pelas maiores forças reacionárias brasileiras, como a Igreja Católica, os veículos tradicionais de imprensa, os latifundiários, os militares e variados grupos ideológicos avessos às ideias de reforma. O Centrão, liderado informalmente por Roberto Cardoso Alves e Ronaldo Caiado, procurava declaradamente obstruir a aprovação de projetos que fossem contrários aos interesses feridos. Típico da interferência da direita estúpida, o Centrão permitiu a aprovação de uma constituição que proclama um «estado laico» (talvez porque seus deputados desconhecessem o significado do termo) mas inseriu num preâmbulo uma menção a Deus. Contradições semelhantes se espalham por todo o texto constitucional, o que explica a frequente necessidade de emendá-lo.

Cesaropapismo — Regime político antigo no qual o monarca também comandava a religião oficial. Tecnicamente é uma «teocracia» ao contrário. O exemplo clássico de teocracia foi o Império Bizantino. De certa forma a Grã Bretanha continua sendo um regime cesaropapista, pois a Rainha também é a líder da Igreja Anglicana (embora delegue esse poder ao Arcebispo de Cantuária, tal como delega o poder político ao Parlamento).

Consenso — Situação na qual todos estão amedrontados demais para conseguirem discordar. Exemplo: «Diante da crise os parlamentares aprovaram medidas de emergência surgidas do consenso das lideranças».

Culpa por associação — Estratégia desonesta de debate que consiste em tentar diminuir a legitimidade dos argumentos de um debatedor ao lembrar que pessoas que defenderam argumentos semelhantes no passado cometeram atos considerados inaceitáveis. Por exemplo: «Você é socialista? Na URSS os Socialistas mandavam para a Sibéria todo mundo que discordava deles». Afora o fato de que dá mesmo vontade de mandar para a Sibéria quem diz uma coisa dessas, a acusação de associação desconhece que um indivíduo hoje não pode ser responsabilizado pelos atos de outros indivíduos no passado. E nem uma ideia abstrata («socialismo») pode ser desqualificada por causa de interpretações específicas (a de Stálin, por exemplo).

Demagogia — Adoção de medidas simpáticas ao povo com o objetivo de obter votos nas eleições. Teoricamente a demagogia é uma coisa ruim, porque aqueles que a empregam estão mais interessados em obter o voto do que em executar a medida e, por isso, medidas demagógicas se caracterizam por serem de curto prazo (quando não promessas vazias). A acusação de demagogia é muito empregada contra regimes que se tornam populares por causa de suas políticas.

Direita Estrábica — Vertente do pensamento direitista que tem «um olho no peixe, outro no gato». Ou seja, adota um discurso de fácil consumo pelas massas, mas não tem compromisso com as demandas populares.

Domínio do fato — Teoria jurídica segundo a qual um indivíduo em posição de liderança é culpado por um crime cometido por pessoas sob sua responsabilidade, caso resulte provado que os atos foram cometidos de acordo com orientações idealizadas direta ou indiretamente por ele, ou com seu conhecimento. Criado originalmente na Alemanha nazista, para dar verniz jurídico às perseguições contra os comunistas e, mais tarde, contra os judeus, foi amplamente utilizada após a queda do comunismo no leste europeu para responsabilizar os líderes políticos por crimes cometidos por funcionários do regime. O exemplo clássico de sua aplicação foi a condenação de Erich Honecker (secrétario-geral da «União Socialista Alemã», o partido único da Alemanha Oriental) pelos assassinatos dos que tentavam escapar para o Ocidente através do Muro de Berlim. Embora Honecker não tivesse ordenado pessoalmente nenhuma destas execuções, foi considerado culpado porque ele havia sido o responsável pela construção do Muro e pelo estabelecimento de seu sistema de vigilância, ficando subentendido que as ações dos guardas estavam de acordo com um protocolo idealizado por ele.

Economista de apostila — Indivíduo que estuda teorias econômicas minoritárias e controversas diretamente de materiais didáticos «independentes», não endossados por universidades ou publicações com revisão acadêmica, e aparece nos fóruns da internet esclarecendo o mundo sobre o verdadeiro mecanismo de funcionamento das engrenagens do universo e a chave da prosperidade eterna para a humanidade. Costumam ficar muito irritados quando confrontados com o fato de que as pessoas que realmente se graduam em economia encaram suas ideias mais ou menos da mesma maneira como um biólogo encara um criacionista terra jovem. Em geral são randroides.

Escola Austríaca de Economia — Corrente de pensamento econômico, hoje difundida quase exclusivamente pelo Instituto Mises, que descende diretamente do liberalismo clássico, rejeitando quase todos os desenvolvimentos metodológicos e conceituais posteriores à Primeira Guerra Mundial, mais ou menos como alguns bispos católicos resistem às reformas do Concílio Vaticano II e seguem rezando missa em latim e cultuando santos que a História provou serem inventados (como Santa Catarina, São Jorge, Santa Liberata e São Cristóvão). Os «austríacos» (quase todos randroides) são contra a moeda fiduciária, o fracionamento das reservas bancárias, a tributação progressiva, a atuação do Estado como indutor na economia, as regulações trabalhistas e uma série de coisas que tornaram possível a melhora geral das condições de vida da população mundial ao longo do século XX. A maioria dos **economistas de apostila **que seguem as doutrinas austríacas não sabe direito o que significam os conceitos elencados acima. Por exemplo, afirmam que são contra o empréstimo bancário baseado em reserva fracionada porque depósitos não são empréstimos. Até Mises gargalharia se ouvisse isso.

Flexibilização dos direitos trabalhistas — Criação de facilidades para que os empregadores paguem salários menores, demitam sem burocracia, submetam a assédio moral, dificultem a sindicalização e precarizem os vínculos sociais de
suas vítimasseus empregados. Proposta como panaceia universal para as crises do capitalismo porque, aparentemente, estas são causadas pela melhora das condições de vida do trabalhador.

Jornalismo marrom — Equivalente nacional do yellow journalism ianque. Enquanto os jornalecos americanos tentavam chamar a atenção do povo com figuras coloridos, os nossos descobriam o gozo que o povo sente quando se joga merda no ventilador. Sinônimo de «sensacionalismo», com a intenção de ofender.

Libertário — Adepto de um conceito de liberdade que exclui a garantia pelo Estado de todos os direitos que as pessoas não possam comprar com seu dinheiro. Libertários são contra leis trabalhistas (principalmente), regulamentações governamentais (especialmente das atividades econômicas a que se dedicam) e sistemas políticos inadequados e ineficazes, como a democracia representativa, preferindo em vez deles sistemas nos quais as decisões sejam tomadas pelos «mais capazes». Em suas versões mais extremas, chegam a defender o pátrio poder absoluto, a aceitabilidade do tráfico de pessoas e o fim das salvaguardas sociais.

Marxismo — Conjunto das ideias políticas e econômicas derivadas do pensamento de Karl Marx. No campo teórico, essas ideias incluem, principalmente, uma análise do sistema econômico capitalista dos primórdios da Revolução Industrial e uma série de ideias sobre a interpretação dos fatos históricos de forma racional. No campo prático, Marx aconselhou que os trabalhadores se unissem e lutassem por melhores condições de trabalho. Apesar de inúmeros erros conceituais e metodológicos, sem falar nas conclusões erradas motivadas pelo acesso a um conjunto de dados muito menor que o disponível hoje, a obra de Marx ainda continua sendo o grande bicho papão dos donos do poder político e econômico por causa de três grandes realizações suas que não ficaram obsoletas: a) o aconselhamento da união dos trabalhadores para lutar por seus interesses, necessária porque, segundo o conceito da «luta de classes» criado por Marx, os patrões teriam interesses diferentes; b) o diagnóstico de que a História do mundo é movida apenas por causas materiais (no sentido de «terrenas», em vez de teológicas ou idealísticas), o que prejudica seriamente a credibilidade da religião (a quem Marx chamou de «ópio do povo») c)a predição de que o sistema capitalista é inerentemente instável e produz crises e guerras periodicamente. Os críticos do marxismo negam a existência de uma luta de classes e propõem a «união nacional». Ao mesmo tempo procuram «valores» ou «tradições» que justifiquem sua interpretação da História. Por fim, sempre afirmam (pelo menos enquanto não vem a próxima crise ou guerra) que o capitalismo superou seus erros do passado e trouxe a paz e a estabilidade eternas («fim da História»). Atualmente os reacionários mais sofisticados nem estão se importando com a crise e as guerras em curso para afirmar essa bobagem.

Mensalão — Sistema de «compra de votos» supostamente implantado pelo governo Lula no Congresso Nacional. Segundo a acusação (acatada pelo STF), o governo pagava pela fidelidade de sua própria base de apoio. Totalmente diferente da inocente contribuição recebida pelos políticos do PP espanhol.

Minarquia — Sistema de governo evocado pelos anarcomiguxos e outros capitalistas extremistas. Seria o último estágio do Estado antes de sua completa dissolução, tendo sido reduzido às suas funções mínimas. Por alguma razão os minarquistas acreditam que um Estado tão esquálido conseguiria ser estável.

«Movimento ateu» — Sempre entre aspas, refere-se de forma difusa e propositalmente sem compromisso ao conjunto de iniciativas, dentro e fora da internet, no sentido de identificar, divulgar e organizar indivíduos, conteúdo e instituições direta ou indiretamente, total ou parcialmente ligadas ao pensamento irreligioso em geral: desde a defesa do laicismo até o ateísmo, desde o liberalismo político até o ceticismo científico.

Olavete — Adepto do Olavismo.

Olavismo — Culto à personalidade do auto-intitulado filósofo Olavo de Carvalho. É uma espécie de seita de seguidores acríticos do pseudofilósofo e astrólogo Olavo de Carvalho. O comportamento de seus adeptos assemelha-se ao de adeptos de novos movimentos religiosos: incluindo o uso de argumentos de autoridade ("você já leu alguma obra dele e o refutou") e atribuir-lhe o título de "mestre".

Panaceia universal — Antiga crença popular europeia em um remédio capaz de tratar de todo e qualquer mal. Mencionada em obras como romances de cavalaria, tratados de alquimia e literatura de cordel. Ver também **bala de prata, **outro conceito relacionado à esperança ignorante de que haja soluções simples para problemas complexos.

Populismo — Qualquer medida que um governo tente implantar em benefício do povo. Caso o regime seja democrático, será também classificada como “demagogia”. O populismo é normalmente apresentado como algo ruim, como se beneficiar o povo fosse ruim. Boa parte da má fama dessas política, no entanto, advem do fato de que tentativas de implantar medidas benéficas ao povo causavam uma reação pelos Estados Unidos, com resultados catastróficos.

Randroide — Indivíduo obcecado pelo pensamento da escritora russo-americana Ayn Rand, que por sua vez era obcecada pelas ideias do filósofo alemão Friedrich Nietzsche, mas passou metade da vida tentando explicar que não. O típico randroide vive imensamente revoltado com o fato de que uma parte do que ganha é usada pelo governo para dar coisas a outras pessoas, que não ganharam o suficiente para comprá-las. Como esse tipo de ideia não é muito popular (pois mesmo os randroides costumam precisar dessas coisas que o governo dá, como vacinas, assistência médica, transporte público ou aposentadoria), eles preferem falar mal do governo e do «burocrata» (esse desprezível ser que conseguiu passar em um concurso público). Seu livro inspirador é a «Rebelião de Atlas», de Ayn Rand, no qual um milionário a quem a autora comparava ao titã encarregado de sustentar o mundo (John Galt) luta contra a mentalidade comunitária criando uma comunidade e ataca a sindicalização iniciando uma greve. Bem de acordo com a autora, que passou a vida inteira atacando as pensões e planos de saúde para terminar a vida recebendo uma aposentadoria e tratando de seu câncer em hospitais públicos. O típico randroide se ofende com estas colocações e não vê contradição nos fatos mencionados.

Síndrome de Moranguinho — Modo de pensar caracterizado pela crença de que «as coisas estão sempre melhorando», tal como costuma dizer a personagem das histórias em quadrinhos nas apresentações de suas aventuras junto a outras meninas imaginárias com nomes de frutinhas.

Sofativismo — Ativismo político caracterizado por ficar em casa reclamando que o governo não o ouve, possivelmente passando a falar mais baixo se a turba estiver lá fora gritando para o governo ouvir.

Teocracia — Regime político no qual religião e política se misturam, em geral a primeira conseguindo mandar na segunda. Mais ou menos como está em vias de acontecer nos EUA. O protótipo de teocracia é o Irã, onde o povo vota, mas o aiatolá supremo pode mudar as escolhas do povo. Ou onde o povo vota, mas os resultados das eleições são «inspirados por Deus». Ver também «cesaropapismo».

Totalitarismo — Um dos nomes dados pelos defensores do intervencionismo ianque às «ditaduras do mal». Ditadores aliados dos EUA são somente «autoritários». Ditadores inimigos são líderes totalitários. O outro rótulo é o de «teocracia».

Vadiagem — Condição daquele que não está inserido no mercado de trabalho por opção, mas tem o azar de ser pobre. Pobre é vadio, rico é *playboy.

Velho Barbudo do Céu — Conceito «filosófico» e «sofisticado» em relação a uma «divindade hipotética» a respeito da qual certos «agnósticos» gostam de «suspender a crença». Mas ele não é o «deus do monoteísmo judaico-cristão, claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Protected by WP Anti Spam