Apologética e Revisionismo

Tomei hoje conhecimento da existência de um inacreditável blogue revisionista intitulado “Meu Professor de História Mentiu Para Mim”, que se propõe a fazer gracinha acusando o nosso sistema educacional de ser esquerdista.

O artigo em si não precisaria ser respondido, caso ele se limitasse a fazer tal “acusação”, visto que eu acredito e afirmo que existe mesmo tal tendência (apenas uma tendência, infelizmente) e que seria bom se o sistema educacional fosse mesmo esquerdista. Infelizmente o texto precisa de uma réplica pois:

  1. O esquerdismo generalizado do sistema educacional é um mito propagado pela direita: não apenas existem professores de todos os matizes ideológicos como existe uma polí­tica de conformação do sistema educacional aos interesses conservadores.

  2. As críticas que o artigo faz ao esquerdismo são de uma inanidade que ofende, trazendo mais afirmações pala­vrosas do que argumentos construtivos.

  3. O blogue “Meu Professor de História Mentiu Para Mim” é claramente revisionista, e isso é um problema grande.

Digo que ele é revisionista porque, mesmo que “ainda” não tenha começado a falar bobagens contra o Holocausto judeu sob o nazismo, ele tem o cheiro e a cor de um blogue que fatalmente falará disso. Revisionistas são desonestos por necessidade, escrevi sobre isso em 31 de julho de 2011, mas é sempre bom reiterar o que foi esquecido, se é importante: Há sempre novos ignorantes que ainda não sabem que a terra que gira em torno do sol. Então falemos do revisionismo do blogue.

Comecemos repetindo que o revisionismo é, essencialmente, uma falácia de ênfase. “Falácia” é um raciocínio que não segue a lógica. Um exemplo conhecido é “o mar contém água e sal, certos biscoitos contêm água e sal, portanto o mar é um biscoitão”. “Falácia de ênfase” é aquela que deturpa o argumento ao emprestar mais peso a uma parte da frase, de forma que a frase, mesmo correta, expressa o contrário do que está enunciado. Um exemplo é um verso muito infame do Falcão: “Não é verdade que mulher feia só serve para peidar em festa”. Como a segunda parte é enfatizada, as pessoas não atentam para a negação e a frase populariza o conceito de que feia só serve mesmo para peidar em festa.

Digo que o revisionismo é uma falácia de ênfase porque os revisionistas procuram nos convencer de que os únicos que buscam revisar o conhecimento histórico, quando, de fato, ele é continuamente expandido e revisado, inclusive com a ocorrência de frequentes e sensacionais reviravoltas, das quais um forte exemplo é a revisão do papel brasileiro na Guerra do Paraguai, nos anos 1990.

O revisionista não tem nenhum interesse, porém, em outras revisões, só naquelas relacionadas à sua ideologia favorita. Então, se a História não mostra favoravelmente seus heróis prediletos e seus princípios, ele põe em questão a metodologia histórica em si, para criar uma falsa controvérsia, com o objetivo de vender sua ideologia, apesar do que diz o conhecimento estabelecido. Tanto faz se o revisionismo de que falamos está focado no papel do Nacional-Socialismo alemão no que se convencionou chamar de “Holocausto” ou em outra ideologia de outro momento histórico. A mecânica do revisionismo é a mesma.

Os revisionistas possuem, evidentemente, interesses polí­tico: certos setores da direita querem apagar da memória humana os conhecimentos “inconvenientes” que tornam impopular a ideologia que se pretende difundir. No caso específico do nazifascismo, por exemplo, desejam que o povo esqueça que um dos piores crimes de guerra da História só existiu por causa das ideologias de extrema direita. Caso isto não se mostre possível, querem ao menos borrar essa imagem feia, confundir as pessoas quanto aos seus objetivos, ou ao menos argumentar que os crimes nazifascistas não foram tão diferentes de outros grandes crimes ocorridos em épocas anteriores. O “revisionismo” (entre aspas entendido como o revisionismo específico do nazifascismo e do “Holocausto”) faz parte, junto com o criacionismo, o fundamentalismo religioso e a negação do aquecimento global, de um processo ideológico maior: o negacionismo.

“Negacionismo” é a insistência em contestar, por motivos ideológicos ou interesses econômicos, conhecimentos científicos estabelecidos. Diferente de uma simples divergência metodológica ou de opinião, o negacionismo não é propositivo, mas exclusivamente negativo. A estratégia negacionista não é avançar uma teoria diferente, mas divulgar as “falhas” (reais ou supostas) das teorias atuais, para obter o descrédito do método científico. Um bom exemplo é o criacionismo, que procura questionar inconsistências da teoria da evolução para afirmar que ela é inválida, ignorando, porém, os aspectos em que tal teoria é consistente e permite fazer predições. O criacionista afirmará coisas absurdas, como a inexistência de “fósseis transicionais”, mas ignorará o fenômeno da resistência bacteriana a antibióticos.

Ora, da mesma forma que o criacionista questiona a biologia porque esta demonstra que a Bíblia não é factualmente correta, da mesma forma que um “revisionista” não aceita que a realidade ou significância do Holocausto porque ele demonstra que o nazifascismo é monstruoso, da mesma forma que os negadores do aquecimento global difamam a ciência porque ela envolveria uma quebra de paradigma econômico e político; desta mesma forma o apologeta se opõe ao conhecimento histórico: pois este mostra a Igreja e o cristianismo como instituições temporais e falhas, que não estão de forma nenhuma à altura das reivindicações de ascendência moral com que se apresentam ao público.

Algo assim acontece no blogue “Meu Professor de História Mentiu para Mim”. A diferença é que o revisionismo que se vê ali não está, pelo menos por enquanto, focado em negar o Holocausto e justificar o nazifascismo. Em vez disso, o blogue foca na limpeza de uma outra sujeira histórica que incomoda a muita gente por razões ideológicas: o papel do cristianismo (e da Igreja Católica em particular) naquilo que se chama genericamente de “A Inquisição” (que não foi de fato um fenômeno único).

No próximo capítulo, porque a Igreja e a História ficaram em lados opostos.

O Manifesto-Pirraça da Direita Infantil

Ao acessar o Facebook na data de ontem, fui surpreendido por mais uma prova de que certos seguidores da nossa direita parecem comer capim (isso se não comem cocô mesmo). Trata-se de um texto tão inacreditável e tão tosco que eu ainda prefiro acreditar que é uma gozação que alguém escreveu para ridicularizar o pensamento direitista nacional. E se não for isso, por favor, não me contem. Comentarei o tal texto, mas partindo do pressuposto de que ele é uma trollagem.

O texto saiu no blog da UFSCON e logo a seguir foi reproduzido em outros focos virtuais de pensamento reacionário, como o “Direitas Já”. Se a aparente seriedade do blogue de onde saiu não bastasse para atestar que o texto foi escrito a sério, a republicação depõe seriamente contra a inteligência dos responsáveis pelas páginas que o repetiram.

O “Manifesto” é de João Victor Gasparino Silva, do curso de Relações Internacionais na Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Santa Catarina, e contém um protesto contra a solicitação de um trabalho de pesquisa sobre Karl Marx, feita por um professor.

Direitista empedernido, o aluno se recusa a sequer tomar conhecimento da existência do marxismo e rejeita a pesquisa pedida. No manifesto, procura justificar porque não fez o trabalho.

São tantas as coisas erradas na atitude em si que é quase supérflua a análise do texto. A recusa em estudar um pensamento diverso do próprio já é motivo mais do que suficiente para classificar o aluno como obscurantista e intolerante. Mas tal impressão poderia ser evitada se o texto contivesse embasamento teórico e desenvolvesse uma argumentação sólida, em vez de uma reclamação imatura.

A análise é útil, porém, para compreender como funciona a propagação de uma ideologia de extrema direita em nosso país. Segue a transcrição comentada do “Manifesto”:

Como o senhor deve saber, eu repudio o filósofo Karl Marx e tudo o que ele representa e representou na história da humanidade, sendo um profundo exercício de resistência estomacal falar ou ouvir sobre ele por mais de meia hora.

Infelizmente para o enjoado reacinha, Karl Marx teve um papel fundamental no desenvolvimento da ciência econômica, das ideologias polí­ticas, das lutas sociais e da metodologia histórica. Mesmo que rejeitemos por alguma razão a validade de seu trabalho, é impossível ignorar o impacto que ele teve sobre a História contemporânea. Por isso, o nosso reacinha enjoado que trate de tomar um Engov e aprender tudo.

Os personagens históricos não deixam de ser importantes só porque nós não gostamos deles. A atitude do nosso reacinha é a de um menino pirracento que sempre teve satisfeitas todas as suas vontades e agora se sente no direito de decidir o que é ou não importante no currículo da própria faculdade onde estuda. Trata-se de um ato infantilidade tão gigantesca que os direitistas não imbecis (temos agora a oportunidade para saber quão poucos são) devem estar sentindo vergonha alheia pelo rapaz, que passou tremendo recibo de imaturidade. Se algum dia alguém mereceu ser qualificado de “moleque de apartamento, criado a leite de pera e ovomaltino” esse cara é o autor do texto.

Aproveito através deste trabalho, não para seguir as questões que o senhor estipulou para a turma, mas para expor de forma livre minha crítica ao marxismo, e suas ramificações e influências mundo afora.

A proposta até que é interessante. Uma crítica ao marxismo, se fundamentada, certamente mereceria uma boa nota, pois, para poder fazê-la, o aluno teria de estudar a obra de Marx e demonstrar que compreendeu-a tanto que conseguiu refutá-la.

Quero começar falando sobre a pressão psicológica que é, para uma pessoa defensora dos ideais liberais e democráticos, ter que falar sobre o teórico em questão de uma forma imparcial, sem fazer justiça com as próprias palavras.

O pirralho que nunca ouviu um “não” e sempre o papai lhe comprou tudo o que quis acha que é “pressão psicológica” ter de falar imparcialmente sobre um autor de que discorda. Que grande tragédia forçar um pobre coxinha a estudar uma ideologia de esquerda, isso deve ser pior que uma noite no pau de arara!

Infelizmente, por toda a vida, deparamo-nos com ideias ou pessoas de que discordamos. Não podemos fechar os olhos para essa realidade, não temos o poder de escolher o que queremos saber e estudar. Estudamos e aprendemos aquilo que é “necessário”.

Observem, ao final da citação acima, como o aluno se sente frustrado por não poder “fazer justiça com as próprias palavras”. Acredito que, se Marx já não estivesse morto há mais de 150 anos, o cara bem gostaria de matá-lo, e fazer justiça com as próprias mãos, ou pelo menos de xingá-lo, vilipendiá-lo, fazendo justiça com palavras. A impossibilidade do linchamento (literal ou verbal) de Karl Marx é a causa da “pressão psicológica” vivida pelo aluno reacinha.

Me é uma pressão terrível, escrever sobre Marx e sua ideologia nefasta, enquanto em nosso país o marxismo cultural, de Antonio Gramsci, encontra seu estágio mais avançado no mundo ocidental, vendo a cada dia, um governo comunista e autoritário rasgar a Constituição e destruir a democracia, sendo que foram estes os meios que chegaram ao poder, e até hoje se declararem como defensores supremos dos mesmos ideais, no Brasil.

A típica paranoia apocalíptica e hiperbólica do extremista de direita coxinha. Qualificar o nosso governo atual de comunista é prova de uma ignorância tão grande que somente esta frase já justificaria a reprovação do aluno. Afinal, ele não só desconhece o que é “comunismo” mas também não consegue uma análise coerente da situação política que tem diante de si.

Outros reflexos disso, a criminalidade descontrolada, a epidemia das drogas cujo consumo só cresce (São aliados das FARCs), a crise de valores morais, destruição do belo como alicerce da arte (funk e outras coisas), desrespeito aos mais velhos, etc. Tudo isso sintomas da revolução gramscista em curso no Brasil.

Aqui vemos um salto lógico (ou melhor, ilógico) de amplitude absurda. Se o trabalho era sobre a obra de Marx, por que o reacinha saltou tão rapidamente para o governo brasileiro atual, que de marxista só mantém uma leve tintura? Trazer o governo atual para um debate sobre a obra de Marx é uma apelação sem sentido, uma fuga ao tema.

Mas pelo menos esta fuga nos permite boas gargalhadas, ao percebermos que o idiota que escreveu este texto fantasia que o governo atual é o culpado por todas as mazelas que afligem nosso país. Da maneira como fala, fica parecendo até que não havia crime no Brasil antes de Lula, que o consumo de drogas era minúsculo, que o PT inventou o funk, que toda vez que alguém bate num velhinho é porque era petista, “coisas assim”. É verdade que os governos petistas desde 2002 não conseguiram resolver muitos de nossos problemas, mas atribuir-lhes culpa por tais problemas é algo que só se explica por muita ignorância ou pela deliberação de mentir.

A revolução leninista está para o estupro, assim como a gramscista está para a sedução, ou seja, se no passado o comunismo chegou ao poder através de uma revolução armada, hoje ele buscar chegar por dentro da sociedade, moldando os cidadãos para pensarem como socialistas, e assim tomar o poder.

À parte o fato de que nunca houve uma tomada de poder por meio de tal estratégia “gramscista”, o próprio conceito parece absurdo (e é), uma vez que seriam necessárias várias gerações para o pensamento revolucionário chegar a uma massa crítica. Ainda mais considerando a incrível eficiência de nossas escolas. Uma estratégia de tão longo prazo é tão ineficaz que os membros de qualquer grupo ou partido que a estivesse implementando estariam mortos ou muito velhos quando (e se) ela chegasse a ser bem sucedida. Esta estratégia assume, então, ares meio sobrenaturais, um quê de conspiração milenar, um jeitão meio óbvio de delírio das minhocas da cabeça de quem não sabe o que diz.

Fazem isso através da educação, o velho e ‘’bom’’ Paulo Freire, que chamam de “educação libertadora” ou “pedagogia do oprimido”, aplicando ao ensino, desde o infantil, a questão da luta de classes, sendo assim os brasileiros sofrem lavagem cerebral marxista desde os primeiros anos de vida.

Então os alunos do prézinho estudam a luta de classes. Os alunos das escolas estaduais paulistas (onde não se ensina mais História) também estudam luta de classes. Os alunos dos colégios religiosos idem. Pois todos são comunistas. Até a Igreja Católica é comunista.

Em nosso país, os meios culturais, acadêmicos, midiáticos e artísticos são monopolizados pela esquerda a [sic] meio século, na universidade é quase uma luta pela sobrevivência ser de direita.

Os jornais são de esquerda. A Globo é de esquerda. É tudo esquerda. Só temos jornais e emissoras de rádio e TV esquerdistas desde o golpe militar de 1964. Os generais derrubaram Jango e depois deram todos os canais de rádio e TV para os esquerdistas! Esse cara é um maluco.

Quanto à luta pela sobrevivência que ele enfrenta na faculdade, pouco se pode dizer, a não ser que realmente é uma inglória guerra a que se trava contra o conhecimento. Se o seu direitismo é baseado; como viu-se até agora; em ignorância, teimosia e preconceitos; realmente deve ser muito difícil protegê-los dos contínuos ataques da razão e do conhecimento. Em um ambiente um pouco mais “liberal” (um beco escuro à noite, por exemplo), talvez os nossos reacinhas virassem o jogo e eliminassem essa ameaça na base de muita porrada.

Agora gostaria de falar sobre as consequências físicas da ideologia marxista no mundo, as nações que sofreram sob regimes comunistas, todos eles genocidas, que apenas trouxeram miséria e morte para os > seus povos. O professor já sabe do ocorrido em países como URSS, China, Coréia do Norte, Romênia e Cuba, dentre outros, mas gostaria de falar sobre um caso específico, o Camboja, que tive o prazer de visitar em 2010.

À parte a simplificação grosseira (somente trouxeram miséria e morte) dos resultados das revoluções socialistas, o parágrafo é de uma empáfia raríssima. O aluno se mete a lecionar para o professor! E o pior, ainda pior, é que a lição provavelmente está fora do tema do trabalho encomendado (aparentemente, o “marxismo”).

Segue-se um relato bastante factual dos acontecimentos do Camboja nos anos 1970, governo do Khmer Vermelho. Só que este relato, além de ser um parêntese no raciocínio que o autor tentava (em vão) desenvolver, não está relacionado diretamente com o tema e resvala, perigosamente, no apelo emocional, como neste trecho:

Os castigos e formas de extermínio, mais uma vez preciso de uma resistência estomacal, incluíam lançar bebês recém-nascidos para o alto, e apanhá-los no ar, utilizando a baioneta do rifle, sim, isso mesmo, a baioneta contra um recém-nascido indefeso.

Por mais horrível que tenha sido o regime do Khmer Vermelho (e deve ter sido mesmo, pois ele causou uma diminuição de quase um quarto da população do país), essas atrocidades não afetam o valor da obra de Karl Marx nem minimamente, pois este nunca mandou, por exemplo, que soldados espetassem bebês em baionetas. Atribuir a Karl Marx a culpa pelos erros e crimes de regimes que se inspiraram nele, é atribuir à Bíblia a culpa por pregadores malucos, como Jim Jones e David Koresh.

Bem, com isto, acho que meu manifesto é suficiente, para expor meu repúdio ao simples citar de Marx e tudo o que ele representa.

Não obstante seu repúdio, a relevância de Marx continua a mesma, e se você quiser obter a nota terá de apresentar outro trabalho.

Diante de um mundo, e particularmente o Brasil, em que comunistas são ovacionados como os verdadeiros defensores dos pobres e da liberdade, me sinto obrigado a me manifestar dessa maneira, pois ele está aí ainda, assombrando este mundo sofrido.

O aluno poderia pelo menos ter se perguntado por que o comunismo conserva esta reputação, apesar de seus erros. Poderia ter obtido algumas respostas interessantes. Mas preferiu manter distância do tema, o que fez o seu texto ser raso, parecendo ser mais uma desculpa para não ter entregue o trabalho dentro do prazo.

Em seguida o aluno cita um suposto “decálogo de Lênin” que não existe (pelo menos não como um texto determinado). Mais uma vez ele se posta como professor, revelando uma mentalidade predeterminada, e mais uma vez o faz para difundir uma informação incorreta.

Depois da difusão inicial pelos canais alternativos, na internet, o texto chegou à grande mídia, sendo replicado pelo blogueiro Rodrigo Constantino, que escreve na Veja. Rodrigo, no entanto, possui um grau suficiente de honestidade intelectual e admite que o texto fica longe de ser mítico como a direita o julgou. Especificamente, Constantino admite o emprego de uma informação falsa, justamente o “decálogo de Lênin”:

O decálogo de Lênin, ainda que soe verdadeiro para quem conhece o leninismo, é falso até onde sei. O que não tira o mérito do manifesto.

Se o Constantino não estivesse tão interessado com a descoberta de um raro exemplo de texto direitista articulado que não resvala no neonazismo ou na escrotice pura e simples, poderia ter admitido outras das muitas falhas do texto, como emprego de evidência anedótica (quando o autor usa a viagem ao Camboja como “fonte”) e o fato de que o uso do “decálogo” (que é citado integralmente) tira, sim, o mérito do manifesto. Se os dados são viciados, o resultado é viciado. Boa parte das acusações feitas pelo autor ao marxismo podem derivar de textos, como o “decálogo”, que difundem desinformação. Então, o emprego de fontes tais sugere que a revolta do autor é causada pela sua seleção de textos inconfiáveis. Donde podemos concluir que o ferrenho antimarxismo exibido pelo autor se enraíza em informações distorcidas, contidas em textos apócrifos como o “decálogo”. E podemos concluir, então, que se o autor não sabe selecionar uma fonte legítima, um documento real, de uma fonte forjada, ele não tem nenhum comando da metodologia, e isso é uma bala de prata contra seu argumento: por isso eu disse desde lá no início que o “manifesto” depõe contra quem o escreveu.

Sim, contra quem o escreveu. A julgar por esse texto que divulgou, o Sr. João Victor Gasparino Silva não domina o discurso acadêmico com a proficiência necessária, não sabe diferenciar documentos legítimos de outros forjados, expressa opiniões engajadas que acompanham sua incapacidade de diferenciar entre a realidade e a invenção dos adversários do marxismo. Em vez de prestar um grande serviço à direita, este texto mostra um direitismo imaturo, pirracento, ignorante e, o que se mostra ainda mais surpreendente, oposto à hierarquia e sem respeito formal pelos ritos acadêmicos.

Quando a Justiça Odeia

Não é nenhuma novidade mais que estamos vivendo um processo intenso de radicalização, com o terreno do centro sendo gradualmente comprimido pelos extremismos e com os rituais da democracia sendo estuprados em nome de interesses pessoais. Isto inclui os partidos, que planejam golpes ou eternização no poder, passa pelas instituições da sociedade civil, que frequentemente se fundam na defesa de privilégios e na construção de barreiras contra o outro, e pervade a sociedade como um todo, que começa a regurgitar episódios de ódio contra minorias raciais, ideológicas ou comportamentais.

Quando, porém, alguma voz nos tenta convencer de que não é tão grave assim a doença de nossa democracia, eis que uma voz rouca ecoa de dentro das cavernas, um promotor público utiliza o Facebook para mandar um recado à polícia de choque para que reprima com violência uma manifestação popular pois ele se encarregaria de arquivar o inquérito contra os responsáveis:

Alguém poderia avisar à tropa de choque que essa região faz parte do meu Tribunal do Júri e que se eles matarem esses filhos da puta eu arquivarei o inquérito policial.
Petista de merda. Filhos da puta. Vão fazer protesto na puta que os pariu… Que saudades da época em que esse tipo de coisa era resolvida [sic] com borrachada nas costas dos medras…

O ódio é incompatível com a justiça, isto é algo que nem seria necessário dizer. Infelizmente, o Brasil não só é um país onde tem feito falta enfatizar o óbvio — como as noções básicas de cidadania, direitos humanos, justiça, dignidade etc. — como é um país onde dizer o óbvio parece cada vez mais causa de escândalo. Quando o rei está nu, para evitar o escândalo, é necessário reagir com toda radicalidade diante de quem ameace dizer isso. Por isso, no Brasil de hoje, quem diz o óbvio costuma ser atacado com mais força do quem expressa o absurdo.

O que este promotor de justiça disse é absurdo, mas muita gente aplaude. Aplaude porque o ódio está na moda, especialmente entre os simpatizantes de forças políticas que vem sendo deixadas para trás pelo trem da história. Almejam descarrilar o futuro e, se possível, empurrar tudo de volta para trás. O reacionarismo precisa de muito ódio e violência, porque não é possível explicar racionalmente às pessoas porque elas devem abrir mão de tudo que tornou sua vida melhor nos últimos dez ou vinte ou trinta anos. O reacionarismo precisa subjugar porque não consegue convencer. Ele precisa de uma tropa de choque, e de um promotor previamente comprometido a arquivar os inquéritos contra os policiais que aceitem matar aqueles de quem o promotor discorda.

Cada dia que passa nós damos um passo rumo ao abismo. Episódios como esse nos mostram que o fundo do poço moral tem porão. Que não existem limites para a falta de ética, de cidadania e de responsabilidade. Quando um membro do judiciário exibe total descompromisso com a Lei, e mesmo com os princípios que norteiam a Lei, cabe perguntar como podemos confiar nessa justiça. Nessa justiça sem freios e sem controle externo, onde a punição para um discurso de ódio como esse se limita a uma “aposentadoria”.

Havia uma antiga piada contada por um amigo meu, estudante de Direito, segundo a qual a diferença entre um juiz e um advogado é que o advogado apenas acha que é Deus. Só uma piada de advogado, claro, mas esse promotor leva tudo isso muito a sério. Ele se arroga o direito de decidir sobre a vida e a morte de pessoas que não conhece, apenas porque simpatizam com um partido (isso segundo sua percepção, pois não há provas de que os manifestantes seriam exclusiva ou mesmo majoritariamente “petistas”). Se algum dia, em um curso de direito, houver a necessidade de exemplificar o que é “injustiça”, basta exibir o print dessa postagem desse promotor, que violou a constituição e se tornou um criminoso ao se tornar mandante de assassinatos (o fato de tais assassinatos não terem sido cometidos não diminuiu o fato de que ele os ordenou).

A continuidade deste promotor em seu cargo, após isso, é um estupro ao direito constitucional e uma cuspida na cara da sociedade. Principalmente porque, se ficar claro que um membro do judiciário pode cometer tal temeridade impunemente, a perspectiva é que, cada vez mais, as vozes das cavernas ousem berrar na cara do povo, especialmente do povo “petista” (ou seja, aqueles a quem os reacionários acusam de ser petistas) que eles não têm direitos.

O ovo da serpente já está no ninho. Resta saber se vamos ser tolerantes contra  a intolerância ou seremos capazes de mostrar organização para resistir ao desmonte da democracia por aqueles que têm saudades do tempo em que podiam dar “borrachadas” em quem protestava.

Há 6 Anos, Direto do Túnel do Tempo

Apresento abaixo uma série de prints retirados de uma comunidade do Orkut em julho de 2007. Não participo mais da comunidade (nem lembro, aliás, qual comunidade abrigou esta postagem), não tenho o link do autor do texto, não conheço sua identidade, não sei nem mesmo se “André” é o seu nome verdadeiro (suponho que sim, mas não afirmo). Deixo aqui essas imagens para discussão de quem se interesse, para preservar este momento único da história da internet, antes que alguma pane do meu HD envie para o buraco da memória.

O Estelionato Eleitoral Praticado Pela Esquerda

A direita chama de populismo qualquer coisa que beneficie o povo: reforma educacional é populismo, corte de imposto é populismo, reforma agrária é populismo, concurso público é populismo, fazer escola é populismo, abrir estrada é populismo. Fica parecendo que a função do governo não é trazer benefício ao povo. Como a boca fala aquilo de que o coração está cheio, essas pessoas provavelmente acham que o governo existe para beneficiar uns poucos e para desviar dinheiro público para contas na Suíça. Quero crer, porém, que só uma minoria pensa assim: a maioria simplesmente não sabe para que serve um governo, e nem como ele pode chegar aos seus objetivos.

Digo que as pessoas acham errado beneficiar o povo porque praticamente todas as medidas tomadas positivas que foram tomadas em benefício do povo nos últimos vinte anos (sim, o Fernando Henrique também beneficiou o povo, mesmo que por descuido) foram criticadas como populistas. Todos os aumentos de salário mínimo acima da inflação foram tachados de populistas, a queda dos juros é populista, a expansão do financiamento imobiliário é populista, redução de impostos sobre bens de consumo é populista … e segue uma série imensa de adjetivações.

Esse populismo tem, claramente, um objetivo eleitoral. Como se fosse errado ter objetivos eleitorais. Vivemos em uma democracia, na qual os governantes precisam ser confirmados periodicamente, e não em uma monarquia vitalícia e hereditária que nunca presta contas de seus atos. Claro que o governo precisa mostrar serviço para que o povo reconheça seu valor e o reeleja. Está para nascer um governante que trabalhe incansavelmente para ser derrotado na eleição seguinte.

Claro que é errado ter objetivos exclusivamente eleitorais, priorizar medidas de curto prazo. Quem faz isso muitas vezes o faz por não ter a competência de capitalizar em cima de projetos de grande envergadura. Mas se for errado pensar em fazer o bem ao povo para colher votos então qual é o sentido que resta à política? Na minha opinião, esse tipo de crítica ao populismo revela é desprezo pela democracia.

Como se fosse errado pensar em beneficiar o cidadão comum, como se este não fosse cidadão. Como se fosse ideal beneficiar a poucos, em vez de beneficiar a muitos. Essas medidas são classificadas de estelionato eleitoral, como se fosse uma falha moral o povo votar em quem lhe atende, como se o certo fosse governar sem fazer nada pelo povo e esperar ter o seu voto.

No fundo isso mostra que existe uma incompatibilidade insanável entre o pensamento e o projeto da direita, de um lado, e as ferramentas e objetivos de uma democracia. A democracia é uma entidade essencialmente esquerdista, construída por revoluções e reivindicações. O direitista transita nela como quem enfrenta o inevitável, como quem é obrigado a morar na casa construída por seu inimigo.

A Moda É Ser Idiota

“Idiota” era como os gregos chamavam aqueles cidadãos que cuidavam exclusivamente de seus negócios pessoais e não participavam da vida política. Somente muito mais tarde a palavra ganhou um sentido mais negativo. Fazia parte do conjunto de crenças comum a todos os gregos que cada cidadão deveria ser responsável pelo governo de sua cidade. De tal forma se valorizava isso que a participação em certos órgãos governamentais, como o tribunal do Areópago, em Atenas, ou a assembléia dos éforos, em Esparta, era, em certa época, sorteada entre todos os homens aptos. Esse era o conceito de “liberdade” defendido pelos antigos filósofos: livre era o homem que era dono de si, não possuía senhores. A liberdade era contraposta à escravidão.

Quando o pensamento grego foi revalorizado, a partir da Renascença, o conceito de liberdade dos gregos pareceu anacrônico e inadequado. Era impossível governar países extensos com base em uma democracia direta, da qual todos os cidadãos participassem por sorteio, mesmo que fossem considerados cidadãos apenas os nobres. Não obstante, certos estados menores, como a Holanda e as cidades livres hanseáticas, tiveram uma forma de governo razoavelmente parecida, na qual todos os “homens bons” tinham sua voz ouvida.

Existe uma nobreza nesta definição de liberdade, nobreza que fascinou aos filósofos iluministas e também a Nietzsche. A liberdade dos antigos não era uma liberdade egoísta, não era uma busca hedonista. O homem não era livre para agradar a si mesmo, mas para fazer o bem à comunidade. E havia uma identificação do cidadão com a cidade. A raiz dessa identificação está na percepção da política como uma extensão de si. O estado (pólis) não era visto como um ente estranho, mas como uma espécie de família estendida, à qual se pertence, mesmo nos momentos em que algum dos membros faz algo de que discordamos. Desta forma, sempre que um indivíduo procurava impor sua opinião através das armas, do dinheiro ou da oratória, a cidade lhe reservava a pena do ostracismo (exílio), com o objetivo de reduzir-lhe ainda mais a capacidade de convencer aos outros. Nunca, porém, ninguém foi forçado a deixar a cidade: era o cidadão que percebia, no voto do ostracismo, a rejeição da cidade contra si e contra tudo o que ele representava. Exilar-se era a única opção. Mas reconciliar-se era o único objetivo. Somente os escravos não almejavam retornar à sua cidade original.

No embate das forças ideológicas posteriormente à revolução francesa, o tipo de liberdade cidadã que os gregos compreendiam foi abraçado pelos socialistas. Não por acaso escolheram essa denominação para si. Divergindo dos gregos apenas na noção nova, francesa, de que todo filho da nação é um cidadão seu. A essência do pensamento altruísta, que logo se confundiu com a esquerda, e parcialmente com o socialismo, é a de que cada indivíduo pertence a um conjunto, a sociedade, e não lhe é lícito fazer nada que cause dano à sociedade. Diferentemente dos socialistas, os diversos tipos de ideologias individualistas sempre preconizaram o direito individual de fazer mesmo aquilo que prejudicasse à sociedade. As posições centristas admitem que o indivíduo possa moderadamente causar dano à sociedade, conquanto sempre  menor do que dispêndio que a sociedade precisaria fazer para impedi-lo. Se, como disse Oscar Wilde, a sociedade embrutece mais com a reiteração de castigos do que com a recorrência dos delitos, é mais sábio tolerar certa ordem de transgressões, a fim de diminuir o embrutecimento coletivo.

Nos últimos anos e meses começou a ganhar popularidade aqui no Brasil uma corrente de pensamento de extrema direita e de extremo individualismo chamada libertarianismo (alvo preferencial deste blogue, daí o título), que defende exatamente o oposto do pensamento atruísta. Supostamente baseada em Nietzsche (na verdade derivada de um pastiche mal construído de alguns aspectos de sua filosofia, por intermédio dos romances de Ayn Rand), essa ideologia propõe que ninguém deve jamais se preocupar com o próximo, nem de forma alguma unir-se a quem quer que seja em nome de objetivos comuns, pois a “virtude” estaria em enfrentar as consequências e vicissitudes da vida de forma “livre”. Um exemplo de texto difundido pelos libertários na internet é o citado a seguir:

  1. Quando uma pessoa de direita não gosta de armas, não as compra. Quando uma pessoa de esquerda não gosta das armas, proíbe que você as possua.
  2. Quando uma pessoa de direita é vegetariana, não come carne. Quando uma pessoa de esquerda é vegetariana, faz campanha contra os produtos à base de proteínas animais.
  3. Quando uma pessoa de direita conhece uma pessoa de orientação sexual diferente, vive tranquilamente a sua vida. Quando uma pessoa de esquerda é homossexual, faz um movimento com alarde para que todos também se tornem homossexuais e os respeitem.
  4. Quando uma pessoa de direita é prejudicada no trabalho, reflete sobre a forma de sair dessa situação e age em conformidade. Quando uma pessoa de esquerda é prejudicada no trabalho, levanta uma queixa contra a discriminação de que foi alvo e vai à justiça do trabalho pedir indenização por dano moral (e o pior: ganha!).
  5. Quando uma pessoa de direita não gosta de um debate transmitido pela televisão, desliga a televisão ou muda de canal. Quando uma pessoa de esquerda não gosta de um debate transmitido pela televisão, quer entrar na justiça contra os sacanas que dizem essas sandices. E até uma pequena queixa por difamação será bem-vinda.
  6. Quando uma pessoa de direita é ateísta, não vai à igreja, nem à sinagoga e nem à mesquita. Quando uma pessoa de esquerda é ateísta, quer que nenhuma alusão a deus ou a uma religião seja feita na esfera pública, exceto para o islã (com medo de retaliações provavelmente).
  7. Quando uma pessoa de direita, mesmo sem dinheiro disponível, tem necessidade de cuidados médicos, vai ver o seu médico e, a seguir, compra os medicamentos receitados. Quando uma pessoa de esquerda tem necessidade de cuidados médicos, recorre à solidariedade nacional ou ao sírio libanês para tratar.
  8. Quando a economia vai mal, a pessoa de direita diz que é necessário arregaçar as mangas e trabalhar mais. Quando a economia vai mal, a pessoa de esquerda diz que os sacanas dos empresários, proprietários etc… são os responsáveis e punem o país.
  9. Teste final: quando uma pessoa de direita lê esse texto, posta argumentos lógicos. Quando uma pessoa de esquerda lê esse teste, fica puta da vida e quer xingar, além de querer processar e prender quem escreveu…

Como toda comparação estereotipada, esta também é falsa. Mas ele ser falso não me espanta nem me comove. Estranho é que muitas pessoas inteligentes — como +Vides Júnior+Saulo Cesar+Mário César de Araújo e +Francisco Quiumento
— e outras nem tanto, como o +Dâniel Fraga, o difundam sem pensar, aderindo automática e acriticamente a essas afirmações redutoras como se fossem um mantra.

Esse texto nada mais é do que uma mentira. Nem pessoas de direita e nem pessoas de esquerda são assim. Existe um tipo de pessoa de direita que diz/acha que é assim e que tenta impor essa definição de direita como uma universalização do credo e da práxis “direitista”. Esse é o primeiro erro porque, em tese, ninguém que seja direitista se diz ser, porque faz parte da essência do pensamento não esquerdista a negação da existência de luta de classes e da legitimidade da esquerda enquanto teoria política. O pensamento de esquerda é só um desvio, a luta de classes é uma ficção. Mas o texto, obviamente, reivindica uma suposta neutralidade, ao usar os termos “esquerda” e “direita” em terceira pessoa (“uma pessoa”) o autor procura sugerir que está fazendo um exame distanciado das duas formas de pensamento. Essa é uma técnica argumentativa bastante eficaz, porque as pessoas rejeitam pensamentos que honestamente se assumem como parciais: todos querem opiniões isentas, mas que coincidam com determinada forma de pensar.

São muitas as pegadinhas distribuídas pelo texto, e a simples identificação de cada uma delas deveria envergonhar quem o difunde (mas tenho a desiludida certeza de que ninguém se retratará, afinal, compartilhar um texto não é endossá-lo, ou é?).

O primeiro parágrafo faz uma comparação assimétrica entre uma ação individual (“não comprar”) e uma ação que nenhum indivíduo isoladamente teria poder para praticar (“proibir”). O terceiro, pior ainda, compara pontos de vista diferentes sobre uma mesma situação. A pessoa de direita “conhece alguém de orientação homossexual , a pessoa de esquerda “é homossexual”. Além do maldoso subtexto de que o esquerdista é veado, ainda temos uma comparação que não faz sentido, pois é perfeitamente aceitável que tenhamos reações diferentes quando estamos envolvidos. Ou seja, possivelmente uma pessoa que viveria tranquilamente a vida após conhecer um homossexual se sentiria compelida a fazer campanha pelos direitos homossexuais caso se descobrisse homoafetiva, simplesmente porque a percepção da cena muda quando você deixa de ser plateia e passa a ser ator.

Em comum, os sete primeiros parágrafos têm uma característica: a essência da “pessoa de direita” é a passividade diante dos fatos que encontra, caracterizando-se por “não fazer”, “continuar fazendo” ou “apenas refletir”. Não há uma só recomendação de um curso de ação diante dos desafios. O direitista “não compra” armas, não come carne, vive tranquilamente, reflete sobre a injustiça que sofreu,  muda de canal, não vai ao templo/sinagoga/igreja/mesquita. Por outro lado, o esquerdista sempre toma atitudes, apresentadas como equivocadas: ele “proíbe” (sic) a compra de armas (ou procura proibir), faz campanha contra a carne, faz um movimento, presta uma queixa, entra na justiça etc. Independente do fato de que em certas situações é melhor agir e em outras, não, resulta óbvio da análise do texto que o direitista ideal é alguém que age o mínimo possível. Quando alguma ação é recomendada, trata-se de uma ação individual e inócua, como mudar o canal da televisão (o que equivale a enterrar a cabeça na areia e fingir que o problema não existe). Esta é a essência do conservadorismo: qualquer tentativa de melhorar o mundo vai é piorar, então é melhor aceitar tudo do jeito que está. O conservador mais radical difere do reacionário em um simples fato: ele admite o progresso, desde que não seja obra de reivindicações revolucionárias e seja lento.

O silêncio sobre a ação é mais eloquente no quarto parágrafo, quando  a pessoa de direita “reflete” sobre o seu infortúnio. Por um paradoxo inexplicável, mas compartilhável, esse indivíduo de direita não estará agindo “em conformidade” caso escolha usar a justiça para se defender. Como não acredito que o autor do texto esteja defendendo o uso direto da força (vingança), suponho que a inação seja a única forma de ação conforme, sob a ótica direitista.

Não é à toa que um filósofo bem menos burro do que eu classificou a história positivista (conservadora e direitista) como “uma sucessão de fatos sem conexão, ligados a símbolos inexplicáveis e pessoas sem personalidade, em que nada possui causas, nada gera consequências, todas as reviravoltas são completamente inesperadas e todos os acontecimentos, irrepetíveis e desprovidos de qualquer valor moral para o presente.” É uma crítica antiga, do tempo em que ainda se usava falar em “moral” em filosofia, mas segue válida. Na ótica desse direitista ideal, apresentado nesse texto, a única coisa a fazer diante dos obstáculos da realidade é omitir-se, ou então tomar uma atitude isolada. Fica a impressão de que até mesmo formação de quadrilha é uma atividade esquerdista.

Uma vez que o indivíduo não está autorizado a tomar qualquer atitude concreta diante dos fatos, resta-lhe aceitar os fatos, de forma inexplicável. Como se vê no sétimo parágrafo, onde o autor afirma direitista consulta um médico e compra os remédios até quando não possui o dinheiro disponível. Não consigo imaginar como tal seria possível, nem de que forma os médicos e as farmácias andam aceitando pagamento se você for direitista. A atitude do esquerdista pelo menos é coerente: se não tem dinheiro disponível, recorre à solidariedade nacional. Acredito que a chave do enigma esteja no fato de que o autor, provavelmente, não sabe o que é “não ter dinheiro disponível” para pagar uma consulta e comprar remédios.

O oitavo parágrafo é o mais curioso de todos, pois tenta colocar como antônimas duas atitudes que não são sequer incompatíveis. Propor-se a “arregaçar as mangas e trabalhar mais” é algo que qualquer pessoa que dependa de seu trabalho terá de fazer diante de uma crise (mas de nada adiantará esta determinação se não houver trabalho). Mas esta disposição não significa que a pessoa não deva ter sua própria opinião sobre as causas do problema. O mecânico, pode perfeitamente consertar o carro enquanto lhe pergunta se o defeito não foi causado por algum mau hábito seu ao volante, como acelerar o carro embreado. Obviamente o autor do texto acredita que especular sobre as causas dos problemas que afligem a todos (ou pelo menos a muitos) é algo que não se deve fazer.

Por fim, a “chave de ouro” do texto, uma espécie de salvaguarda do seu autor contra as críticas advindas de sua “obra”. Por causa dela eu acredito que seja inútil postar argumentos lógicos contra o texto, porque, na visão em preto e branco da mula que cagou esse pedaço de excremento (só estou xingando para ser fiel ao estereótipo), um argumento de esquerda não pode ser lógico. Mesmo eu tendo feito uma análise moderada e pretensamente lógica do seu conteúdo, minha discordância soará como um zurro, por um fenômeno de pareidolia auditiva, que faz com que ouçamos coisas parecidas com o que nos é familiar.  Mas posto-os mesmo assim, sabendo que pelo menos entre os padawans da esquerda eu serei lido (e também por algum direitista honesto entre os vinte ou trinta que deve haver).

Não consigo entender como pessoas  bem informadas apregoem um texto tão primário e fácil de demolir. Acima de tudo porque o individualismo idiota que ele prega (no sentido grego do termo) é prejudicial à sociedade como um todo. Em nome de uma pseudoliberdade essas pessoas pregam um sistema no qual cada um estaria sozinho e indefeso diante da opressão. Alguém já disse que grandes problemas demandam grandes soluções, e grandes homens. A via proposta pelo texto é que as soluções venham através de atitudes pequenas, de pequenos e isolados homens. É muito triste que pessoas inteligentes difundam isso, de forma tão acrítica, mesmo porque a ignorância dos exemplos da história não é uma desculpa. A ignorância nunca é uma desculpa. Especialmente porque alguns dos que difundem isso de tempo em tempo parecem ter os conhecimentos mínimos necessários para discernir a patranha. Mas parece que, depois que se estuda muito, e se duvida de tanto, começam as pessoas a buscar credos em que descansar seus neurônios. E nesse caso, se a ideologia está certa, o pacote inteiro vai de brinde, e está certo também.

A Conspiração Anarcomiguxa

Qual a relação que você consegue enxergar entre o filme Zeitgeist e a modinha liber­tária que perpassa a internet? Nenhuma? Alguma vaga conexão que você não consegue explicar direito? Chega mais, senta e relaxa. Prepare-se para ler muito, e para descobrir a grande manipu­lação a que estamos sendo submetidos. Prepare-se para ter abertos os seus olhos: eu não espero convencer você, espero apenas apontar para onde o vento sopra, para que você olhe e veja por si aquilo que descobri agora há pouco, enquanto comia uma pizza de sala­minho com catupiry.

Mesmo mantendo um razo­ável ceticismo, não se deve excluir de antemão a possibi­lidade de que seja verdade aquilo que parece improvável. Pelo menos não enquanto não surgir uma explicação fun­cional que recorra apenas ao que é possível. A navalha de Occam, quando apli­cada de forma indiscriminada, funciona mais como um obstá­culo do que como um guia. Foi utilizando um princípio seme­lhante que Aristóteles desconsiderou a teoria atômica de Demócrito e propôs sua versão simples e cética dos quatro elementos. Com isso e mais a sua auto­ridade, atrasou o desenvolvimento da química por milênios.
Esta defesa prévia que proponho acima se deve à natureza do que vou escrever abaixo, que parecerá uma reles Teoria de Conspiração. Muitas pessoas se esquecem, ao fazer esse tipo de acusação, que, de fato, conspi­rações existem. As teorias de conspiração só se tornam ridículas quando envolvem participantes sobrenaturais (como os aliení­genas cinzentos) ou quando exigem o conluio de tantas partes diferentes, e durante tanto tempo, criando tantas difi­cul­dades, que a simples concepção de uma tal teoria dá mais trabalho do que supor, simplesmente, que a conspiração não existe. Não é o caso do que vou explicar. Posso estar enganado, mas mesmo que a conspiração não exista de forma deliberada e de antemão — e eu não afirmo que exista — o encadeamento do fato nos autoriza supor que, pelo menos, os fatos posteriores foram postos em ação a partir do conhe­cimento das condições prévias, de forma muito cuidadosa. Então, é irrele­vante a acusação de que tudo não passa de mera teoria de cons­piração: o simples encade­amento dos fatos já é um fenômeno interes­sante em si mesmo.

Comecemos por algumas definições importantes (algumas delas vão para o glossário). O «movimento anarco­miguxo» é a mais recente modinha entre os descolados da internet, tal qual o «movimento ateu» já foi um dia (e lamen­tavel­mente reconheço que o foi apenas como uma prepa­ração para um passo posterior, como passo a demonstrar). Trata-se da difusão de um deter­minado dis­curso político e econômico através de blogues, vlogues e perfis em redes sociais. Um discurso ultra­­conservador em termos políticos (mas suposta­mente «liberal» em relação aos costumes) e ultra­liberal em termos econômicos, a partir dos trabalhos da chamada «escola austríaca» de economia (que, apesar do nome, hoje se baseia nos Estados Unidos) e suas teses minar­quistas (estado mínimo) e ultra­capitalistas (libera­lismo econômico máximo). Este discurso não é novo, claro, mas um velho conhecido de quem estuda História ou se prende aos aspectos históricos da ciência econômica: trata-se do discurso do liberalismo, herdeiro dos fisio­cratas franceses (Turgot e Quesnay) por meio dos liberais ingleses (Adam Smith, David Ricardo e Stanley Jevons) e com um pedágio entre os aristocratas reacionários do império austro-húngaro (Menger, Böhm-Bawerk e Mises) que se refugiaram nos Estados Unidos diante da ameaça do nazismo e lá encontraram o terreno ideal para difundir suas ideias, iniciando seguidores como Murray Rothbard. Este discurso é temperado pela ideologia de Ayn Rand, uma escritora americana de origem russa autointitulada filósofa, expresso em calhamaços de difícil leitura, como A Rebelião de Atlas (Atlas Shrugged) e A Fonte (The Fountainhead).

Existem boas razões para se pensar que estamos vivendo um imenso processo de astroturfing (ou «lavagem cerebral através de propa­ganda de massas», se você prefere) que tem por objetivo dire­cionar a opinião pública em um sentido mais conser­vador, prepa­rando ter­reno, talvez, para interfe­rências políticas que satisfaçam essa «opinião pública espontânea». Um processo que pode ter sido preme­ditado, ou estar sendo «surfado» por pessoas que sentiram para onde soprava o vento. Um processo que começou com o filme Zeitgeist. Ou talvez antes, mas eu só o detecto a partir dali. As ideias ainda estão confusas, mais ou menos como você se sente quando tem a sensação de que tropeçou em algo grande. É o que sinto. Tenho até medo das conclusões a que estou chegando: nem todas eu incluirei neste texto. Que, no entanto, é o corolário deste blogue: é o desmas­cara­mento da «arapuca libertária» que eu, indis­tinta­mente, farejava no ar quando comecei a blogar aqui, faz uns dois anos.

Comecemos por Zeitgeist. A menos que você seja um imbecil quase completo ou não conheça quase nada nem de História, nem de economia e nem de engenharia ou física, você percebeu que esse filme, do qual hoje quase nem se fala mais, possuía mais furos do que um queijo suíço. Na época eu me senti ultrajado de ver a gros­seria com que o realizador, «Peter Joseph», manipulava a mitologia egípcia (minha mais ou menos conhecida) a fim de «provar» que Jesus e Hórus possuíam dezenas de elementos comuns na biografia. O filme foi bem sucedido em plantar essa ideia de jerico na cabeça do povo (pelo menos na parte do povo que pensa e age como jerico), tanto assim que Jesus = Hórus se tornou um meme na internet: volta e meia vê-se um ateu «jogando na cara» de algum religioso essa «informação revolucionária». Dá vontade de olhar-lhe fixamente dizer: «ó, que descobrida cê fazeu!» O sucesso de Zeitgeist em incorporar essa informação falsa no imaginário popular, ou pelo menos no imaginário da subcultura virtual a que chamo de «movimento ateu», é uma prova do quanto é perigoso o processo de astroturfing a que me refiro, e que passarei a qualificar, dora­vante, de «A Conspiração Anarcomiguxa».

Zeitgeist possuía três partes, e nem mesmo os fãs do filme conse­guiam entender completamente a relação entre elas: a primeira argumentando que Jesus é um mito astrológico de origem egípcia, a segunda dizendo que o atentado de 11/09/2001 foi feito por agentes do próprio governo americano e a terceira dizendo que o sistema bancário internacional se sustenta em uma fraude, a moeda fidu­ciária (fiat money, como eles gostam de dizer). A aparente desco­nexão entre os assuntos levou a muitas teorias mirabolantes sobre as razões dos temas terem sido inseridos em um mesmo filme. A minha teoria mirabolante particular era de que o filme procurava inculcar em quem o visse uma menta­lidade anti-semita. Afinal, o filme começava «provando» que Jesus não era um judeu, dizia que o maior atentado da história americana fora come­tido pelo próprio governo ianque e terminava dizendo que o governo estava sob o controle dos judeus (que não têm, claro, nenhum parentesco com Jesus). Faz sentido sim, e até pode ter sido uma das intenções originais dos realizadores de Zeitgeist, mas isto não explica tudo.

Existem duas maneiras de encarar a História. Uma que a vê como o enca­de­amento de fatos sucessivos, sempre influ­en­ciados pelo passado, e raramente resultantes de deli­be­ra­ções. E uma que a vê como um processo cheio de idas e vindas, influenciado não exatamente pelo passado, mas por fluxos e conjunturas que, em certas fases, parecem antecipar momentos futuros. Se analisarmos as modinhas da internet que têm relação com os três temas abor­dados no filme, veremos que as explica­ções que obtemos pela apli­cação de cada uma das duas maneiras resultam diferentes. Se pensarmos na história como um processo unívoco, então a modinha libertária pegou carona no refluxo do movimento Zeitgeist, do qual ninguém quase ouve falar mais, e requentou alguns dos mesmos temas, radicalizando naqueles que interessam aos que seguram a mangueira que faz a lavagem cere­bral das massas. Mas se pensarmos na História como algo um pouco mais dinâmico, nos perguntamos se esse próprio refluxo não era esperado, ou até previsto, e se não teria havido, desde o início, um direcionamento que permitisse o surgimento, após o refluxo do MZ, de uma nova modinha exatamente com as características da que surgiu de fato. Mineiro que sou, declaro-me adepto de ambas as teses, mas não vejo motivos para negligenciar a segunda: de fato ela me parece sugestivamente forte, como vou argu­mentar.

O primeiro sinal em minha consciência de que havia uma coisa qualquer de podre na metafórica Dinamarca foi quando tomei conhe­cimento do rompimento entre o Movimento Zeitgeist e o Projeto Vênus. Isso ocorreu em abril de 2011, mas o MZ é tão rele­vante que eu demorei um ano e meio para ficar sabendo, e ninguém notou nenhuma diferença no universo por causa disso. Not a single fuck was given. Eu sempre achei que ambos (MZ e PV) eram mastur­bações intelectuais de ativistas inter­néticos movidos a leite de pera, ovomaltine e generosas baforadas de mari­juana. Estava enganado (eu me engano muito, mas raramente alguém se importa de me mostrar isso). Embora previsto e previsível, o refluxo do MZ era parte de um processo. Depois de se apropriar das ideias de Jacque Fresco e Roxanne Meadows, as pessoas por trás do MZ passaram a ter um conjunto bastante grande de ideias e propostas, a ponto de poderem se caracterizar como um tipo de partido político ou religião — só não tinham projeção social para isso, porque o MZ era tudo menos receptivo. Então era neces­sário tirar de cena o MZ e passar à fase seguinte do projeto. E vocês repararam que a modinha anarcomiguxa começou a criar força à medida em que o MZ perdia força? Vocês acham isso coincidência?

Poderíamos resumir dizendo que o filme Zeitgeist prepara caminho para uma ideo­logia direitista extremamente reacionária poli­ti­ca­mente, ultraliberal no sentido econômico. Faz isso desacre­di­tando o cris­tianismo, que oferece uma mensagem social que pode ser usada para defender um socia­lismo que não seja ateísta. Desa­credi­tado o cristianismo, é possível insurgir contra todas as formas de cole­ti­vismo e preocupação social sem o risco de vê-las legitimadas pela religião. Depois Zeitgeist apresenta o estado como inimigo do povo, o que legitima o ataque ao estado como uma guerra liber­tadora — ainda que boa parte das garantias de direitos só existam através do Estado. Por fim, lança dúvidas sobre o sistema econô­mico existente, preparando caminho para as teses da escola austríaca e seu ultraliberalismo.


Por isso eu digo que o movimento anarco­mi­guxo não existiria sem que Zeitgeist tivesse existido. A modinha anarco­mi­guxa inclui quatro elementos centrais:
  1. pensamento individualista
  2. radicalismo da ação política
  3. o ultraliberalismo econômico
  4. dicotomia maniqueísta

O individualismo exacerbado, a ponto de alguns usarem mesmo o termo egoísmo e se negarem qualquer responsabilidade sobre as conse­quências de seus atos sobre outrem (ou melhor, conforme correção enviada por um leitor abaixo: qualquer obri­gação de agirem em benefício de outrem), deriva das obras de Ayn Rand, romancista americana de origem russa, auto­intitulada filósofa (embora suas obras sejam livros de ficção).  Este tipo de postura, obvia­mente, induz ao radica­lismo, pois uma filosofia destas fatal­mente resulta em um pequeno número de satis­feitos e grandes massas de explo­rados. Nas obras de Rand isso redunda em dita­duras que subjugam as massas, destroem suas formas de organização solidária (sindicatos, por exemplo) e impõem um tipo de governo «dos melhores». Defensores mais modernos e menos deslavados, que não teriam coragem de, como Rand, admirar um estu­prador e esquarte­jador de meninas, preferem propor a coisa em termos mais pala­táveis, suge­rindo uma tecno­cracia ao exigir que os gover­nantes sejam «preparados». Alguns chegaram a exigir pré-requisitos para o exercício da adminis­tração pública tão elevados que pratica­mente nenhum líder mundial se qualificaria.

Percebe-se, clara­mente, que as teses anarco­mi­guxas (ou minar­co­mi­guxas, para agradar a alguns mais específicos) formam um todo coerente, embora trazidas da obra de dois autores de origens tão diversas: Mises um lambe-botas dos aristocratas do Império Austro-Húngaro que foi ado­tado como guru nos EUA na época do macar­thismo e Rand uma judia russa dotada de um forte senti­mento anti­popular, antis­sindical, antis­social e anti­ético (no sentido de que negava uma ética comum à cole­ti­vidade, propondo um egoísmo racional que, logicamente, só seria ético para quem a adotasse). Esses autores possuem suas idios­sincrasias: o ateísmo egoísta de Rand e o mani­queísmo into­lerante de Mieses poderiam causar certos atritos com persona­li­dades mais sofis­ticadas ou mais religiosas. Isso explica o filme Zeitgeist.

Se pensarmos que havia, desde o início, a intenção de estimular o surgi­mento de uma «opinião pública» girada à direita e que os deten­tores de tal inten­ção perce­beram que isso poderia ser feito apenas através da subver­são da ética, insti­lando um egoísmo cuja justi­ficação mais acessível estava na obra de Rand; percebe-se a neces­sidade de aplainar as arestas da perso­na­li­dade desta para torná-la mais aceitável ao grande público. Em outra época uma pessoa como Rand seria tachada de epítetos desa­gra­da­bi­lís­simos. Particular­mente proble­mático seria o seu ateísmo.  Além do mais, uma crítica defini­tiva ao socia­lismo não pode ser feita sem se ter primeiro desa­cre­ditado o cristia­nismo, devido às muitas seme­lhanças existentes entre as propostas sociais cristãs contidas na Bíblia em si e aquelas teorias avan­çadas pelos marxistas.

Então, quem criou o filme Zeitgeist fez uma parte para «provar» que o mito de Jesus é «falso», o que serviu para esti­mular o surgi­mento e popu­la­ri­zação de um tipo de «ateísmo miguxo» baseado na revol­tinha e em doses cavalares de igno­rância, leite de pera e ovo­mal­tine. Daí, quando é apre­sentado às ideias de Rand, não acha problema algum o ateísmo dela, acha até vantagem. O neo-ateísmo, voltado para a direita, não deriva do ateísmo histórico, tradicionalmente de esquerda, mas dos delírios egoístas de Rand, que leu Nietzsche, entendeu mal e o perverteu de forma a justificar sua revolta pessoal contra o Estado soviético.

As outras partes do filme atacam o sistema econômico. Elas são, de fato, o objetivo central do filme. A primeira parte é só uma isca para ateus revol­tados. O anar­co­mi­gu­xismo propaga a ideia de que um «estado mínimo» seria mais pacífico, princi­pal­mente porque não poderia coagir os seus cidadãos (que, diga-se de passagem, estariam armados até os dentes, com todo tipo de armas de fogo que pudes­sem comprar). Isto explica porque o primeiro filme fez tanta força para provar que um órgão do governo, a CIA, planejou e exe­cutou o atentado de 11/09/2001. Ao organizar um atentado contra o povo, o Estado se revela «o que é»: inimigo do povo. Então o povo deve enfra­quecer o Estado para libertar-se (por isso os anar­co­mi­guxos se dizem «libertários»).


A suposta paz de que se desfrutaria com a eliminação, ou pelo menos a inanição do Estado, é tão irrealista que os próprios anar­co­mi­guxos admitem que a função de polícia teria que ser mantida, a fim de poder garantir a «ordem social». Uma ordem social opres­sora mantida por uma polícia a serviço de uma elite egoísta não me parece algo muito liberto, mas os liber­tá­rios não estão interessados em libertar a todos, apenas a si mesmos. Então faz sentido.

Finalmente, temos algo bem mais explícito, que é a relação entre a crítica dos «austríacos» à moeda fiduciária e aos bancos centrais, encon­trada quase ipsis litteris na terceira parte de Zeitgeist, na qual temos a «revelação» de que o dinheiro que conhece­mos não possui valor intrín­seco (ó, que descubrida!) e que a função dos bancos centrais é inter­mediar o endi­vi­da­mento do Estado. De certa forma, sim, mas esta inter­me­diação deveria ser no sentido de controlá-lo. Engraçado que os anar­co­mi­guxos são contra os controles estatais, mas protes­tam contra o endi­vi­da­mento descon­tro­lado do Estado, que é causado justa­mente pela elimi­nação de regu­lações. É uma valsa do austríaco doido isso aí.

Vemos, então, que as três partes prefiguram. Colocando tudo em um caldeirão e deixando fermentar, perce­bemos que alguém, em algum lugar, concebeu Zeitgeist como a semente de um movi­mento direitista ultra­liberal suposta­mente espon­tâneo, mas de fato diri­gido difusa­mente através de vídeos virais e sites de refe­rência (como o Instituto Mises). Isto é o astro­turfing de que falei. Para isso atacou a religião cristã, preparando terreno para a aceitação das ideias de Ayn Rand (que são essen­cial­mente anticristãs e, por isso mesmo, também anti­co­munistas). Ao mesmo tempo criou a teoria de que o atentado de 11/09/2001 teria sido promovido pelo governo ame­ri­cano, a fim de fazer com que muitas pessoas passassem a des­confiar do governo enquanto insti­tuição. E por fim, difundiu a men­sagem de que o dinheiro não tem valor intrínseco e que os gover­nos se endi­vidam inde­fi­ni­da­mente, preparando-se para enfrentar a crise ine­vitável, durante a qual os valores liberais seriam postos em xeque.

Em relação às teses do filme, deve-se dizer que se elas fossem intei­ra­mente absurdas elas não teriam credi­bi­li­dade. Elas são falsas não porque são absurdas, mas porque mis­turam absurdos e verdades, de forma que um conta­mina o outro. O absurdo reduz a credi­bi­li­dade do que é verdadeiro, e a verdade empresta valor ao que é absurdo. Em relação a Jesus, por exemplo, é verdade que ele é um mito. É mentira que esse mito não tem conexão com uma figura histórica real. É verdade que este mito tem origem helenística, influ­en­ciada pelo judaísmo, e não judaica. Mas é mentira que seja pura­mente um culto astro­lógico. É verdade que Jesus foi miti­fi­cado usando elementos comuns e arque­típicos. Mas é mentira que havia um protótipo de «Deus sofredor» no qual Jesus, Dionísio, Hórus e Adônis estariam compre­endidos. É verdade que vários ele­mentos da biografia de Jesus se base­aram nas biografias de outros perso­na­gens de outras mitologias. Mas é mentira que algum perso­na­gem tenha todos os elementos da biografia de Jesus (e se tem, não é Hórus o melhor modelo, mas Hércules). Não me atrevo a comentar demais sobre as outras duas partes, porque a minha área é a História. Mas suponho que também nelas impera esta mistura indis­cri­mi­nada de verdade e mani­pu­lação deslavada. Existem boas fontes na internet para se pesquisar isso, mas eu não preciso pesquisar, porque pelo dedo se conhece o gigante.

Depois de ter difundido esse conjunto aparentemente desconexo de ideias, os idea­li­za­dores do Zeitgeist descobriram o Projeto Vênus, com suas ideias de tecno­cracia futurista e governo mínimo, baseado em «cidades susten­táveis». Ao mesmo tempo começou a bombar na internet o conceito das «cidades-estado» (charter cities), proposto pelo cien­tista polí­tico ame­ri­cano Paul Romer. Tanto as cidades sus­ten­táveis de Jacque Fresco quanto as cidades estado de Romer seriam uni­dades autô­no­mas, fechadas em si. Comu­ni­dades isoladas e autos­sufi­ci­entes como Galt's Gulch (o refúgio dos super homens de Ayn Rand, em A Revolta de Atlas). A separação entre o Projeto Vênus e o Movimento Zeitgeist indica que, de fato, essa união não foi nunca essencial: o Projeto Vênus era esquer­dista demais em suas preo­cu­pações sociais. A separação era esperada. No entanto, o Projeto Vênus e a difusão do conceito de cidades-estado tiveram sua função: criar a impressão de que existe na aca­demia um pensa­mento liberal minar­quista relevante e que não é carac­te­ris­ti­ca­mente vinculado com a direita.

O conceito básico envolvido é a minarquia, a diminuição do poder do Estado até ele se tornar mera­mente um instru­mento de orga­ni­zação ao nível local e básico, algo suposta­mente melhor do que o grande estado que conhe­cemos. Quando tudo isto alcançou uma massa crítica, ao se tornar viral na internet, os movimentos ori­gi­nais foram aban­do­nados porque já se havia criado um estado mental recep­tivo à propo­sição das ideias inicial­mente aven­tadas pelo Zeit­geist e pelo Projeto Vênus. Foi então que se começou a ouvir falar de Mises e da Escola Austríaca e o governo de Honduras, fruto daquele golpe canhestro patro­cinado pelos EUA, resolveu criar duas cidades estado no padrão de Romer para testar sua hipótese. São várias fren­tes de batalha simul­tâneas, todas bombar­de­ando a ideia ultraliberal no fim.

Conforme se nota no gráfico forne­cido pelo Alexa.com, ao longo de quase todo o ano de 2011 há um aumento (não muito regular) dos aces­sos ao site www.mises.org, a nave mãe do movi­mento anar­co­miguxo. Em 2012 já se nota um decrés­cimo sig­ni­fi­ca­tivo, pois parece que, enfim, as pessoas não gos­ta­ram muito da verda­deira face do que estava por trás da modinha. Pelo menos não a nível global. Mas há algo dife­rente  a se notar quando ana­li­samos o mesmo gráfico em relação ao capítulo bra­si­leiro do Instituto Mises.

Aqui a coisa é diferente, enquanto lá fora os acessos ao Insti­tuto Mises estão caindo, entre nós parece haver um inte­resse cres­cente nas ideias ultra­li­berais da Escola Austríaca. Enquanto nos anos anteriores os acessos pouco pas­sa­vam do traço, em 2012 , espe­cial­mente nos últimos meses, ocorre um cres­ci­mento bastante claro, a ponto de o tráfego brasi­leiro, sozinho, quase igua­lar o da matriz ameri­cana. Evi­den­te­mente o movimento anar­co­mi­guxo inter­na­cional deu chabu, mas anda bom­bando no Brasil.

E isso nos leva a… essa tentativa ridícula de se criar de novo como partido a Aliança Reno­vadora Nacional (Arena), o espan­talho ide­o­ló­gico que dava cober­tura pseudo­par­ti­dária à dita­dura mili­tar bra­sileira. Não teríamos chegado ao ponto de se propor aber­ta­mente a recria­ção da Arena se não tivesse acon­tecido antes um longo pro­cesso de pre­pa­ração. A ideia de uma direita total­mente des­co­nec­tada de pre­ocu­pa­ções sociais, aven­tando uma meri­to­cracia que não exis­tiu nunca. Isso só está acon­te­cendo porque há pelo menos uns cinco ou seis anos a menta­li­dade do povo vem sendo pre­pa­rada por con­te­ú­dos difun­di­dos digi­tal­mente para legi­ti­mar as teses da direita mais extrema.

Perceberam aonde quero chegar: alguém em algum lugar teve a boa ideia de tentar criar uma geração de jovens reaças a fim de dar subs­tância a um movi­mento rea­cio­nário. Isto era muito neces­sário, tendo em vista as suces­sivas crises do capi­ta­lismo a par­tir dos anos oitenta, aliadas ao cres­ci­mento de certas eco­no­mias emer­gentes, o sucesso de pro­je­tos que confli­tam com o pen­sa­mento esta­be­lecido (como Argen­tina, Islân­dia e Vene­zu­ela) e também a orga­ni­zação para­lela dos países peri­fé­ricos (como os BRICS). Estes desen­vol­vi­mentos ame­açam o con­senso capi­ta­lista e liberal, que triunfou com a queda do comu­nismo em 1989, especial­mente agora que a Europa está em crise também.

O fascismo se alimenta de crises. Não é surpre­endente que justa­mente Grécia e Espanha estejam vendo crescer seus movi­mentos de ultra-direita (Aurora Dourada e Falange Católica, respec­ti­vamente). Mas o fas­cismo também pode ser utili­zado para insu­flar insta­bi­li­dade em países que se quer deses­ta­bilizar — e me parece muito claro que há um inte­resse em deses­ta­bi­lizar as insti­tui­ções brasi­leiras, já que em vez de alinhar-se aos inte­res­ses pre­do­mi­nantes o Brasil pre­fe­riu aproximar-se de Venezuela, Argentina, Rússia e outras ovelhas negras.

As ideias ultraliberais e fascistóides parecem não ter sido muito bem sucedidas lá fora, onde as pessoas são, em geral, mais bem infor­madas do que aqui — e menos inte­res­sadas em maca­quear os ian­ques. Somente estão funcionando em países acu­ados por crises eco­nô­micas extre­mas, como os citados. Mas entre nós, os boto­cudos, todo espe­lhinho que venha de fora parece o máximo, mesmo essas ide­o­logias conce­bidas para nos fazerem mal. Isso explica por­que, fora a Guatemala, citada pelos próprios mise­anos como exemplo de país onde a Escola Austríaca é ensi­nada como dou­trina main­stream, o Brasil seja um dos países onde o inte­resse pela babo­seira pseudo­cien­tí­fica da Escola Austríaca esteja ganhando popu­laridade.

E simultaneamente querem refundar a Arena, cri­mi­na­li­zar a polí­tica (jul­ga­mento do Men­sa­lão) e usar o terror como jus­ti­fi­ca­tiva para o endu­re­ci­mento (vio­lência em São Paulo). O ovo da serpente está chocando. E há polí­ticos opor­tu­nistas esquentando-o, pen­sando em votos. Ou pisamos logo nele, ou em breve esta­remos fugindo de uma cobra bem venenosa.

A Crítica Anarcocapitalista ao Estado

A posição anarcocapitalista é de uma inépcia total. Porque parte do princípio de que o mundo é simples (ele sempre é, se você deixa de lado os fatores que o complicam) e que, portanto, seria possível existir um Estado simples para administrá-lo. Veja bem que eu não estou desconsiderando totalmente, como inepta, a posição minarquista: apenas acho que um Estado simples deve, também, ser pequeno. Mas se for pequeno, só poderá ser pequeno se todos os demais também o forem. E mesmo que todos sejam, eventualmente alguns se aliarão, para usufruir da vantagem real de serem maiores unidos. Então a existência de Estados grandes é uma realidade dada, com a qual temos que nos conformar — tanto quanto o capitalismo o é. Quaisquer alternativas propostas são utópicas.


Veja bem, você diz que o Estado somente deve garantir a segurança de uma pessoa contra as outras na questão da força bruta. Isto, claro, parte do princípio de que o Estado foi criado para proteger os cidadãos — o que é uma compreensão errada da História herdada de Thomas Hobbes (estou educado hoje, pode me chamar de miguxo). O Estado não surgiu para proteger os indivíduos uns dos outros. Ele é uma extensão da tribo (ou clã), que é uma extensão da família. A família (no sentido estendido e originalmente poligâmico) surge para proteger as crias (e em certa medida os seus membros adultos) contra os predadores e contra outras famílias. Você vê isso funcionando ainda entre os macacos antropóides. O clã (grupo de famílias) e a tribo (grupo de clãs) surgem para proteger as famílias contra outras famílias (você não vê mais isso entre humanos, só lê em livros de História, e os macacos ainda não chegaram a esse ponto). Não existe aí uma preocupação com o indivíduo, mas com a sobrevivência coletiva. A individualidade é uma invenção relativamente recente na História.

Quando você tem clãs e tribos, as famílias passam a alimentar-se e defender-se com mais eficácia: surge o pastoreio (você não pastoreia gado sozinho), a agricultura (ainda transumante, mas já importante e precisando de trabalho especializado). É em algum ponto por aqui que temos o surgimento da língua e da religião, que explicam e justificam a existência dos clãs e suas regras (clã X não casa com clã Y, um clã não briga com outr etc.).

O Estado surge onde desafios grandes se impõem: observe que o Estado surge inicialmente nos lugares onde a sociedade só pode existir pela união contra as forças da natureza. Cheias do Nilo, do Tigre/Eufrates, do Indo, do Bramaputra, do Yang-Tse. Onde não existe essa necessidade de grande coordenação a sociedade surge tardiamente. Sim, esse determinismo geográfico é puro marxismo, mas você tem toda liberdade para me arranjar outra explicação para esta incrível coincidência entre agricultura dependente de irrigação e surgimento de civilizações. Cento de cinquenta anos de determinismo geográfico marxista estão aguardando serem derrubados por você. Não quero, porém, ser dogmático. O determinismo geográfico marxista não é uma explicação universal para tudo (embora ele explique, por exemplo, por que não se pratica muita agricultura na Groenlândia e porque a navegação não foi inventada pelos mongóis).

O contratualismo (um termo horrível e equivocado para descrever um fenômeno real) reflete esta necessidade: as pessoas não estão juntas porque alguém as obriga, mas porque, desde a pré-História, quem estava junto ficava vivo e os outros não. Ser banido era uma sentença de morte piorada: o cara morreria sozinho e ainda deixaria de ser contado entre os «espíritos» da tribo.


Existe um erro fundamental do anarcocapitalismo. Um erro realmente boçal. O erro foi cometido por Ayn Rand, que leu Nietzsche e não entendeu. O individualismo de Ayn Rand é uma bastardização do conceito nietzscheano do «homem superior». Mas esta descendência depende de um erro de tradução. Que beleza você criar uma filosofia porque um tradutor errou. Nietzsche não era um egoísta no sentido hoje aplicado pelos anarcomiguxos, ele não se insurge contra a sociedade em si, mas contra um tipo específico de sociedade, contra uma cultura abordagens paliativas dos problemas.

Um bom exemplo disso está no «Assim Falou Zaratustra». Ao comentar sobre as esmolas dadas ao mendigo, o filósofo afirma que nada é tão «sujo» (no sentido ético) do que dar ou receber esmolas e que o ato de «caridade» constrói, de fato, uma relação de inveja e de ressentimento (do lado de quem recebe) e de falsa santidade e auto elogio (da parte de quem dá), pervertendo as virtudes de ambos. Para evitar isso, Zaratustra propõe que sejam definitivamente abolidos os mendigos. Muitos leitores superficiais identificam na proposição uma convocação ao genocídio dos pobres (e muita gente na internet já deve estar urrando, sem ter lido o livro), mas o contexto é claro: É preciso acabar com a instituição da mendicância, não com os mendigos fisicamente. É preciso evitar que as pessoas sejam reduzidas à mendicância, não matá-las quando estiverem nas ruas. É preciso construir uma sociedade na qual não haja mendigos, ou haja tão poucos que seja possível atacar o problema topicamente.

Nietzsche não propôs nada parecido com esse endeusamento do ego que a Rand propôs (e que foi exacerbadoi ainda mais por seus seguidores anarcomiguxos). Ele propôs um hovo homem, sim, um «Übermensch», mas este ser hipotético não seria um indivíduo isolado e melhor que os outros, seria um homem que alcançou a compreensão e o pertencimento a uma humanidade melhor. Melhor não porque restrita a privilegiados, mas porque resultante da abolição dos valores corrompidos da sociedade ocidental, doente de uma «mentalidade de rebanho». Rand provavelmente não sabia ler alemão (ou não se deu ao trabalho de ler) e não percebeu que Mensch não é um sinônimo de Mann e que, por isso, o sentido do termo empregado por Nietzsche não corresponde ao do ideal egoísta propalado por uma pseudo filósofa americana. Mann é homem/indivíduo enquanto Mensch é homem/pessoa, mas esta «pessoa» possui uma acepção sutilmente diferente da palavra portuguesa, mais no sentido de possuidor de qualidades humanas do que no sentido de pessoa enquanto indivíduo . O Übermensch não é um indivíduo superior, mas o membro de uma «humanidade superior».

Desse erro total e incontornável cometido por Rand ao ler Nietzsche surge sua glorificação do egoísmo, que é uma filosofia de grande sucesso porque ela, afinal, ajusta os desajustados de forma que eles se sentem superiores sem que tenham de fazer qualquer concessão. É sempre uma ideologia de sucesso aquela que prega não haver necessidade de mudança e tudo que os calhordas querem é um motivo para se mostrarem como «bons» (no sentido social do termo). Rand ordenha essa «Vontade de Potência» de gerações de jovens inseguros (entre eles até o Neil Peart, baterista do Rush, hoje já curado) e cria um verdadeiro culto em torno de si (leia mais procurando referências na Internet, sobre as esquisitices envolvidas, incluindo os favores sexuais que exigia dos mais chegados).

Ocorre que o egoísmo, ou seja, o individualismo levado às últimas consequências, é algo que só se tornou possível em nossa sociedade atual, na qual a família se reduziu ao núcleo doméstico (mesmo ele incompleto muitas vezes) e onde sucessivas gerações foram criadas na base da punição/recompensa em termos materiais, sem nenhuma educação moral ou conhecimentos profundos de filosofia. Esta ignorância é um grande espaço em branco, pronto para ser preenchido com qualquer ideologia simples e confortável. O resultado é o Dâniel Fraga (mas eu tenho uma teoria que ele está só trollando e em breve vai começar a pedir favores monetários e sexuais de seus seguidores) e toda uma geração de pessoas que se sentem bem como estão e padecem de um pavor de terem que, de repente, terem que lutar para mudar o mundo.

A Ideologia da Inveja, ou a Inveja da Ideologia

Faz parte do pensamento direitista típico uma peculiar disfunção cognitiva: uma incapacidade de enxergar corretamente a realidade, o que os leva a interpretações muito equivocadas dos fatos. Há, de fato, dois tipos de direitista: o conservador e o reacionário. Tanto quanto existem dois tipos de esquerdista: o reformista e o revolucionário. Para entender como funciona esta disfunção da direita é preciso por estes quatro lados em perspectiva.

O conservador é alguém que considera que vivemos no melhor dos mundos possíveis, ou quase isso, e que, portanto, é preciso evitar, ou minimizar as mudanças, para evitar que se rompa o frágil equilíbrio da realidade. Mudanças, se inevitáveis, devem ser pelo menos retardadas para que todos tenham tempo de se adaptar aos seus efeitos.

O reacionário é o indivíduo que crê vivermos em um mundo em decadência, que o passado era melhor, que os valores positivos da sociedade estão se perdendo e que é necessário fazer alguma coisa quanto a isto. Esta «alguma coisa» normalmente significa neutralizar toda iniciativa de mudança, pois toda mudança nos afasta do antigo mundo ideal, e reverter tanto quanto possível as mudanças que já aconteceram, responsáveis por nossa queda de uma idade de ouro pretérita.

Comparemos isso com a esquerda e veremos uma correspondência óbvia. O reformista se contrapõe ao conservador, tanto quanto o revolucionário ao reacionário. Mas ambos os extremos odeiam a todo o resto.

O reformista acredita que o mundo precisa melhorar, e para isso é necessário atacar as causas (ou os sintomas) dos problemas que atualmente existem. Geralmente adepto da democracia, o reformista crê que estas reformas podem ser feitas por consenso, através da conscientização das massas e de processos graduais, como reformas educacionais, aperfeiçoamentos legislativos, investimentos pontuais em desenvolvimento regional, etc.

O revolucionário acredita que o mundo não tem conserto, a não ser se substituirmos toda a estrutura sobre a qual suas instituições se assentam. Isso, claro, pode ser feito de forma pacífica, mas normalmente só acontece pelo emprego da violência (e bastante violência) porque aqueles que se beneficiam do status quo não aceitarão facilmente a remoção de seus privilégios. Revoluções são tentativas de adiantar o relógio da História algumas horas em alguns minutos. Costumam ser sucedidas por iniciativas reacionárias que atrasam o relógio algumas horas em alguns minutos, mas não todas as horas que haviam sido adiantadas antes. Assim, toda revolução produz mudanças duradouras.

Ambos os tipos de direitistas têm em comum o temor da esquerda. Por causa dele, se recusam a enxergar a distinção entre um reformista e um revolucionário. No fundo, o que lhes importa é que, pacífica ou violentamente, todo esquerdista quer mexer no seu queijo; então é preciso rosnar, mostrar as garras e, eventualmente, morder. Da mesma forma, o direitista não vê problemas em transitar para o reacionarismo: a radicalização é uma estratégia legítima, à medida que os desafios para a manutenção do status quo se tornam maiores.

A análise da situação política, quando feita por um direitista, assemelha-se muito a um discurso religioso. Quando não nega, pura e simplesmente, a existência de quaisquer problemas com a realidade (síndrome de Moranguinho), em vez de buscar causas materiais para os problemas materiais, o direitista busca motivações intangíveis, explicações metafísicas.

Por exemplo, a miséria não é causada por dificuldade de acesso aos meios de produção (entre eles educação de qualidade) ou baixa remuneração do trabalho, mas pela «indolência» ou «falta de capacidade de trabalho» do pobre. Este tipo de interpretação costuma ser fortemente racista, atribuindo o sucesso dos povos desenvolvidos a fatores genéticos ou culturais que «não existem» no povo brasileiro. Com um pouco mais de sorte você se deparará com o indivíduo culpando a «miscigenação» brasileira pelo nosso atraso.

Se os negros são menos favorecidos, isto não é porque sofreram um longo processo de dominação e exclusão, no decurso da escravidão ou posteriormente a ela, mas sim porque sua «cultura» não contempla o trabalho organizado, ou porque «têm uma obsessão com o pensamento mágico» em vez de trabalhar, coisas assim.

A desigualdade social é apresentada como algo natural, necessário, algo como o direito divino dos reis e nobres, tão essencial à estabilidade dos povos (segundo concebida até o século XX), que as jovens nações arrancadas do jugo otomano (Grécia, Bulgária, Sérvia, Romênia) receberam príncipes alemães para seus tronos. Não se concebia que o povo pudesse sequer ter um rei que não fosse originalmente de sangue azul. O pobre não se conformar com a desigualdade é ter «inveja» do sucesso de quem é rico. Ainda que o sucesso do segundo possa ser herdado e o fracasso do primeiro persista, mesmo diante de hercúleas lutas contra as portas e punhos fechados com que a vida recebe os que estão «de fora».

Causas imaginárias produzem soluções surrealistas. Em vez de atacar a miséria, ataca-se o miserável, como se fazia na Inglaterra do século XVII, com suas leis contra vadiagem que puniam com trabalhos forçados (não remunerados) os que não conseguiam emprego. Ou então explora-se o miserável, como nas estratégias assistencialistas eleitoreiras típicas de políticos fisiológicos e ligados às oligarquias.

Durante boa parte da História do mundo a partir do advento do Iluminismo, estas forças têm se enfrentado: a esquerda e a direita. A primeira, buscando sempre melhorar o mundo, segundo entende necessário ou possível. A segunda, oscilando entre negar a necessidade (ou a possibilidade) de qualquer melhora, ou francamente se propondo a reverter a obra da esquerda. A Revolução Francesa depôs reis, redesenhou fronteiras, criou conceitos novos (como os de República, Constituição, sufrágio universal e Direitos Humanos) e lançou a ideia de que era preciso acabar com os regimes baseados no privilégio de nascimento e no direito divino. A «Santa Aliança» conseguiu reentronizar algumas dinastias, mas cem anos depois nenhuma das nações invadidas por Napoleão estava imune à «gripe republicana». Uma a uma as monarquias foram caindo, os nobres foram condenados ao dolce far niente enquanto a míngua de suas fortunas não os forçava a casar-se na burguesia. A Igreja Católica nunca mais recuperou seu poder. De 1789 para cá ela não cessou de sangrar uma dia sequer. Apesar de todas as Santas Alianças, de todas as Machas da Família com Deus pela Liberdade e de todas as TFPs.

Este é só um exemplo da dinâmica da política: existem outros. O voto feminino foi uma bandeira da esquerda, combatido pela direita. Assim foram os direitos humanos, o fim da segregação racial e a igualdade de todos perante a lei. A direita resistiu com ditaduras, tortura, apartheid, national sozialist Partei… Foram os sindicatos, inspirados por Marx e Bakunin, que exigiram jornadas de trabalho razoáveis, salário mínimo, férias remuneradas, seguro desemprego, fundo de pensão, todas essas coisas que andam falando em «flexibilizar» porque a crise é grande.

A esquerda sempre teve soluções. Para acabar com a miséria era preciso impedir que as crianças ingressassem cedo demais no trabalho, o que as impedia de estudar. Para a direita, isso seria condenar todas à «vagabundagem» (esse termo genérico com que se desqualifica os que estão desajustados ou excluídos das engrenagens do sistema). Era preciso um sistema público de ensino, para que os pais pobres não tivessem que tirar pão da boca para pôr um lápis na mão do filho. Para a direita, uma escola gratuita faria com que as crianças crescessem «sem dar valor» ao conhecimento. Talvez permanecendo analfabetas elas dariam mais valor, ao que não tinham.

Quem tem ideias corre riscos. Vários dos planos «mirabolantes» da esquerda falharam. Em alguns casos a esquerda soube recuperar-se deles rápido, em outros nem tanto, de outros nunca. É muito fácil apontar os erros criticamente. Mas é preciso disfarçar que muitos fracassos se deram por forte oposição reacionária, por radicalização desnecessária (consequência de um ambiente de conflitos) ou mera ingenuidade. Nós, os esquerdistas, temos a ingênua ilusão de que podemos tornar o mundo um lugar melhor. Muitas vezes a luta da esquerda foi pervertida, sequestrada, confundida. Houve aproveitadores, sabotadores, ou meros líderes ineptos. O que nunca acabou nem acabará é a utopia de que é possível vencer a noite. Muita coisa mudou nesses dois séculos desde que o povo aprendeu que é possível deixar de ser súdito e passar a ser cidadão. Enquanto isso a direita continua dizendo que os problemas do mundo são insolúveis, que há mais males necessários do que bens possíveis e que todo movimento de libertação produz mais escravidão.

Nunca a direita esteve tão atuante no Brasil, tão visível. Eles têm a força, mas a força é tudo o que eles têm.

Uma Mentira, Se Mil Vezes Repetida

Entre a esquerda e a direita, existem diferenças tão essenciais que nunca é demais repetir. A esquerda não se envergonha de ser a oposição a «tudo que está aí» e sabe muito bem que há necessidade de reformas profundas na sociedade, na cultura e na economia. Enquanto isso a direita procura justamente negar o diagnóstico (luta de classes) para negar os mecanismos (revolução, reforma) a fim de preservar o status quo a todo custo. Existe, porém, um tipo de direita que vai ainda mais longe: não contente em preservar o que aí está, procura fazer regredir aquilo que já mudou.

Nós, que somos de esquerda, chamamos aos direitistas do primeiro tipo «conservadores» e do segundo, «reacionários».  Um reacionário é um saudosista dos «bons tempos» do capitalismo, aquela época heróica em que os homens eram homens, as garantias trabalhistas não existiam e lugar de mulher era na cozinha.

Limites do Reacionarismo


Obviamente a ideologia reacionária não encontra muito eco na sociedade como um todo. Só mesmo um trabalhador demente empunharia um cartaz defendendo a «flexibilização» dos direitos trabalhistas, por exemplo: «Abaixo as Férias», «O Salário Mínimo Afronta a Liberdade Econômica», «Pela Liberdade de Jornada da Trabalho», ou coisas assim. Um trabalhador que defenda isso abertamente é um boçal tão fenomenal que sequer existe: as pessoas que aparecem na internet defendendo essas coisas não sobrevivem de trabalho assalariado: são empreendedores, autônomos, profissionais liberais ou empresários. Uma vez que não usufruem das garantias trabalhistas, não veem problema algum em eliminá-las para a aqueles que delas gozam. Na verdade achariam é bom poderem contratar uma babá com salário de escrava.

Os reacionários, porém, não apenas querem conservar as tradições, mas pretendem trazer de volta as que foram perdidas. Não falam abertamente em reescravizar os negros apenas porque o público em geral ainda não está pronto para isso, mas falam já em acabar com o sistema de saúde, privatizar a segurança e a educação, desregulamentar o sistema financeiro etc. Há algumas décadas o público não estava preparado para uma defesa aberta da privatização da segurança ou o fim da educação pública. Hoje em dia a internet pulula de defensores de ambas as coisas. Sinalizando que, se formos deixando, é inimaginável quantas conquistas os «libertários» tentarão reverter. Não custa lembrar que a Espanha franquista, obcecada em reverter tudo que cheirasse a comunismo, proibiu até o cooperativismo e só não acabou com as sociedades comerciais por cotas porque o naufrágio da economia deu um sopro de sanidade na cabeça dos responsáveis por aquela bagaça toda.


Porém, como nem todo mundo está suficientemente bem informado sobre como funcionam os mecanismos ideológicos de propaganda, estes «ideais» da direita acabam encontrando eco na população em geral. Afinal, como supostamente disse o Tim Maia, o Brasil é um país em que além de puta gozar, cafetão sentir ciúmes e traficante ser viciado, o pobre é de direita. O pobre é de direita porque não acha que a direita seja o que a direita é. Ninguém começaria a fumar se em vez de cigarros fosse convidado a adquirir um câncer e nenhuma prostituta teria clientes se anunciasse doenças venéreas como seu atrativo. As pessoas compram o que veem, e levam de contrabando aquilo que a publicidade esconde. A direita vende ao povo um ideal «anticomunista» e o povo leva de contrabando uma ideologia que procura justamente oprimir o povo.

A manipulação da direita procura justamente associar com a esquerda tudo que deu de errado e ruim na História. Isso inclui o nazismo: todo reaça que estaria no comício aplaudindo Hitler posta no Facebook que o nazismo foi «de esquerda» porque o partido se chamava «nacional socialista». Como se os nomes significassem alguma coisa além daquilo que pretendem aqueles que os escolhem. Não se vende maionese anunciando «colesterol em conserva».

A verdade é que a direita não se mostra como o que realmente é: «conservadora» (ou até restauradora) de privilégios, mas mantenedora (ou recuperadora) de «tradições» e «valores». Mas tradições e valores não possuem valor intrínseco. Pensar assim equivale a afirmar que as coisas são certas ou boas simplesmente por serem antigas, o que é um raciocínio equivocado (falácia). A escravidão foi uma tradição muito antiga do Ocidente, assim como a opressão da mulher, a exploração do trabalho infantil e uma série de outras mazelas. Nem por isso ela foi mantida quando as pessoas se deram conta de seu absurdo, e nem por isso devemos ficar saudosos dos bons tempos do cativeiro. Prender-se aos absurdos do passado somente por serem tradições é uma atitude que só serve para atrasar as melhorias necessárias ao progresso da humanidade. Por isso mesmo o conservadorismo enfrenta limites teóricos e não pode assumir-se como valor absoluto, da mesma forma que o esquerdismo e a revolução.

A Propaganda Reacionária nas Redes Sociais


A direita utiliza preferencialmente os meios unilaterais de comunicação para difundir seu pensamento, ou melhor, as verdades emanadas das instâncias autorizadas a pensar. Direitistas só gostam de debates controlados, e mesmo assim preferem evitar. Gostam de comícios, de editoriais, de peças publicitárias. Você tem todo direito de ouvi-los, lê-los, assisti-los, assimilá-los, mas eles não permitem que retruque. Se você escreve para a seção de cartas do jornal, não será publicado. Se você telefona, a linha estará sempre ocupada. Se você comenta no blogue, será censurado. E se armar um fuzuê na comunidade/grupo/clã etc., será expulso.

Esta semana tive contato com uma peça publicitária informal que está sendo utilizada para difundir o pensamento direitista. A peça é esta coisa xexelenta aí abaixo:


Como tudo que emana da direita, pretende ser definitivo: «O Espectro Político Explicado». Não é uma opinião, é um «ponto» da lição. Você tem que decorar e repetir, não tem de questionar. A prova vai ser um questionário e você tem que saber responder tudinho de acordo. Se mudar uma vírgula perde décimos de nota.

Esses Libertários Modernos


Antes de passar a analisar cada um dos pontos, vale observar que esses «libertários» aí nada mais são dos que os velhos liberais clássicos, herdeiros diretos de Adam Smith e David Ricardo. Gente fina, que lutou contra a limitação das jornadas (por ferir a liberdade que o trabalhador tinha de vender sua força de trabalho), contra o salário mínimo (por ferir a liberdade de patrões e empregados para definirem «livremente» a remuneração da hora trabalhada), contra o auxilio maternidade (por obrigar o empreendedor a custear uma decisão pessoal da mulher, ao engravidar), contra a proibição do trabalho infantil (porque o trabalho «educa») etc.

Esses nada mais são do que a única e verdadeira direita. Esses «direitistas» que estão postos no quadro são, de fato, centristas, aqueles que temperam a Lei da Selva (preconizada pelos «libertários») com alguma coisa da esquerda que se tornou impossível rejeitar e até mesmo os mais calhordas admitem que é bom.


Os «libertários» não são ingênuos como parecem. Ingênuos são os que perpetuam esse discursos «descolado» na internet. Essas ideias vêm de instâncias superiores, onde se sabe muito bem que a livre competição entre pessoas e entidades que partem de condições diferentes é injusta. Mas esta livre competição significa, para eles, que a situação que já adquiriram continuará lhes oferecendo vantagem na competição contra os novos entrantes. Ser «libertário» da forma como descrito nesse quadro é defender o direito dos que já são ricos de não apenas continuarem sendo, mas continuarem dificultando outras pessoas que poderiam tonar-se.

Quando o Estado se enfraquece, quem fica forte são justamente os que já detêm o poder: os trustes e os monopólios privados. Os «libertários» imperavam durante a primeira fase da Revolução Industrial e levaram a um tal nível de concentração da atividade econômica que que mesmo o país mais «livre» do mundo, os EUA, tiveram que intervir para controlar a moeda e quebrar alguns trustes. Foi a «livre iniciativa» da indústria do petróleo que impôs ao mundo os aditivos a base de chumbo, em vez do álcool anidro, apesar de serem mais caros e menos eficientes (ou melhor, por serem mais caros, independente da eficiência). E foi a «livre iniciativa» dos mercados financeiros que produziu todas as crises financeiras desde sempre. Mercados regulados sofrem menos crises.


Um dos argumentos dos «libertários» é que o Estado, reduzido ao mínimo, não teria recursos para travar guerras. Portanto, um estado mínimo levaria à paz mundial. Nada mais falso: a história mostra que, para a guerra, o Estado sempre dá um jeito de obter recursos. A Holanda dos séculos XVII e XVIII, estado tão mínimo que nem tinha capital, travou guerras em pé de igualdade com todas as potências da época, contratando e pagando a preço justo o braço mercenário.

Não vamos esquecer que já houve uma época em que o estado praticamente não tinha recursos financeiros e nem humanos para travar guerras, ninguém pagava impostos ao Estado, não havia leis limitando nada (só os costumes e os contratos). Essa época chamou-se «Idade Média».


Na próxima semana analiso os argumentos do panfleto virtual acima.